terça-feira, 29 de março de 2011

Não somos obras do acaso...



“A iniciação é a sua própria vida”. Samael Aun Aweor



A existência do Universo é quase uma improbabilidade físico-nuclear e a existência de vida então é uma possibilidade entre milhões segundo os cientistas de nosso tempo. Entretanto a perfeição do Universo é inquestionável. Certamente foi criado por um “Grande Arquiteto” com domínio pleno de todas as leis Universais. Segundo a teoria do Big Bang se a taxa de expansão do Universo tivesse ocorrido a uma velocidade menor que uma em cem mil trilhões, a força gravitacional teria causado uma grande explosão, da mesma forma que se a velocidade fosse somente de um milésimo de segundo maior.

Pensar na inteligência suprema deste ser, capaz de cronometrar milésimos de segundo me leva a concluir que nós não estamos aqui por acaso. Esta inteligência Suprema criou todas as coisas com um propósito. Ainda que fôssemos conseqüência da expansão inicial, não seria por acaso. Pois, este Ser de inteligência infinita é capaz de calcular todas as probabilidades e todas as conseqüências, até de um mero grão de areia. Com certeza diante de tamanha perfeição nenhum de nós seria uma conseqüência indesejada, e sim uma criação com o objetivo de servir a um propósito.

Cumprir este propósito maior é a Verdadeira Vontade de todo homem, tenha ele consciência disto ou não. Descobrir esta missão e trabalhar de forma consciente para o cumprimento da “Grande Obra” é o objetivo do Iniciado. Esta é a grande diferença entre os estudiosos dos Grandes Arcanos e as pessoas comuns. Ambos passam pelas provações que a vida lhes impõe. Mas os iniciados identificam e aprendem com seus erros, enquanto que as pessoas comuns sofrem muitas vezes sem entender o porque, acreditando tratar-se de injustiça divina e seguem cometendo os mesmos erros, num ciclo vicioso e contínuo sem chegar a lugar nenhum.

Os Thelemitas chamam as provações da vida de “Ordálias Iniciáticas”. Sim, as iniciações estão diretamente ligadas e refletidas na sua vida. Não se trata de algo invisível e mágico que lhe concede super poderes. Os antigos cabalistas identificaram e dividiram estas Ordálias da vida humana em onze esferas cabalísticas e vinte dois caminhos que nos levam a elas e nos ensinam a superá-las. São estes os trinte e três graus da iniciação Maçônica. Algumas ordens místico-esotéricas consideram apenas as esferas como graus iniciáticos. Mas isto não quer dizer que os caminhos são ignorados, mas cada iniciação corresponde à três da Maçônaria.

Cada uma destas esferas cabalísticas estão relacionadas com partes do nosso ego que precisam ser trabalhadas. Por isso se diz que cada esfera possui um “demônio” a ser vencido. É preciso trabalhar de dentro para fora a fim de lapidar a pedra bruta. Não se pode simplesmente fugir destes “demônios” porque iremos encontrá-lo novamente adiante e enquanto ele não for vencido esta vitória não será refletida na nossa existência física. Não adianta pedir medalha e condecorações enquanto não alcançar de fato o seu objetivo. As aparências não levam a lugar nenhum quando se trata de algo interno do ser. Se algo não se resolve em sua vida é porque dentro de você ainda existem pendências. É preciso elevar a freqüência mental para manter a calma e encarar os fatos sem sentimentalismos e agir com sabedoria. Lamentar-se e converter-se num eterno sofredor, sem sorte e digno de pena é o pior dos erros. O primeiro passo é assumir a total responsabilidade por seus atos e colocar-se à disposição para resolver as conseqüências deles. Não espere que os outros se responsabilizem por você. Não busque uma válvula de escape nas desculpas e nem coloque a culpa nos demais. Tudo o que acontece conosco é conseqüência única e exclusivamente nossa, ainda que outros nos tenham induzido ao ato. A decisão final é sempre nossa. Portanto, se quer se livrar do problema de forma definitiva é hora de encarar o seu próprio demônio. É neste momento que o estudo do Ocultismo nos ajuda. Ele nos ensina a identificar os nossos próprios erros, trabalhar o nosso ego a fim de nos tornar seres humanos melhores, sempre buscando expandir a chispa divina do Eterno Criador que existe dentro de cada um de nós. Nos ensina ainda a compreender as leis universais e utilizá-las em nosso benefício, não de forma egóica, mas de forma Divina, que nos ensina a respeitar e a amar tudo o que existe de uma maneira tão profunda que a ignorância se transforma numa heresia. Desde então a busca pelo conhecimento passa a ser como um vício insaciável, e quanto mais se aprende mais se tem a aprender.

O sábio está sempre aprendendo e o tolo julga que sabe tudo.

O homem comum sofre por sua ignorância, caminha em círculos sem chegar a lugar nenhum e maldiz a sua própria existência sem perceber a grande Magia da vida. Sente-se preso sem notar que as algemas só existem em sua própria mente que aprisiona o próprio ego num cárcere obscuro e frio, prestes ao suicídio. Cego, não percebe que nenhuma célula no Universo foi criada para viver sozinha. Estas são cancerígenas e estão fadadas à morte!

O ser humano precisa ter consciência de sua existência como parte do Universo e não como seu dono ou explorador. Somos feitos dos mesmos elementos de tudo o que existe e cada ato reflete em todo o Universo. Cada pensamento não está aprisionado a sua mente, mas envia uma mensagem ao Universo que responderá no mesmo nível da mensagem inicial. Quando o homem conhecer a si mesmo, dominará todo o Universo e a realização de suas vontades serão meras conseqüências...

Esta é a meta do Mago. Divinizar-se e tornar-se Uno com Deus!

Sóror Fortuna

An iv19 Sol 9° Aries, Luna 23° Aquarius Dies Mercurii

quarta-feira, 30 de março de 2011 e.v. 02:54