quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Hoje é dia de Pan!

Afrodite, Eros e Pã - 100 a.C - Artista desconhecido

Há milhões de anos, todos os continentes da Terra estavam unidos em um só bloco chamado Pangeia,  palavra originalmente grega (Pân= Todo, inteiro) exprimindo a noção de totalidade, universalidade e Terra (gea) ou Geia, Gaia ou Ge como a Deusa que personificava a terra com todos os seus elementos.
Esta foi a era Mesozoica aproximadamente duzentos milhões de anos atrás. O nome Mesozoico é também de origem grega e refere-se a 'meio animal' sendo também interpretado como "a idade medieval da vida".
O Deus Pã, tornou-se símbolo do Universo e está diretamente ligado à natureza, é o Deus que fecunda a Mãe Natureza, Gaia, gerando a vida em todas a sua biodiversidade. Pã é sinônimo de fertilidade e prosperidade.
Na Mitologia Grega Pan era o  era o deus dos bosques, dos campos, dos rebanhos e dos pastores.  Residia nas florestas e passava o tempo tocando suaves melodias em sua  flauta, dançando com as ninfas ou caçando.
Para os Romanos Pã era Lupercus, Lupercio ou Silvano. Os Romanos erigiram um Templo a Pã e todos os anos comemoram o festival na data de sua fundação, nos dias 15,16 e 17 de fevereiro. Os Sacerdotes que o cultuavam vestiam-se com peles de bode.
Pã não deve ser confundido com os faunos ou sátiros, pois estes eram semi-deuses, portanto seres mortais.
Há diversas histórias e lendas sobre Pã, uma delas conta que Zeus criou a constelação de Sagitário em sua homenagem devido à sua grande inteligência. No entanto algumas passagens especiais nos chamam a atenção, como por exemplo trechos do Cântico dos Cânticos cuja autoria é atribuída ao Rei Salomão:

SEGUNDO CANTO

Primavera de amor

Ela.
8 Atenção! É o meu amado:
eis que ele vem saltando pelos montes,
transpondo as colinas.
9 O meu amado parece uma gazela,
uma cria de gamo,
parado atrás de nossa parede,
espiando pelas janelas,
espreitando através das grades.

É mais que evidente que este trecho e todo o conteúdo do Cântico trata-se de uma obra escrita em homenagem ao Grande Deus Pã.

Na Mitologia brasileira Tupã representa o Deus criador de todas as coisas, é o sopro da vida, e o homem a flauta em pé, que ganha a vida com o fluxo que por ele passa. Sua voz é ouvida através do Trovão ou Tupã-cinunga, cujo reflexo luminoso era Tupãberaba, ou relâmpago.

Coincidências à parte, Tupã está relacionado com a flauta de Pã, com o sentido de Deus criador de todas as coisas. Na Invocação do Espírito Não Nascido há um trecho que diz:


Eu sou Ele! O Espírito Não nascido!
Forte fogo immortal!
Eu sou a Verdade!!
Eu sou Ele de onde se origina todo o bem e todo o mal!
Eu sou Ele, relâmpago e trovão.   
Eu sou Ele, de quem brota a vida na terra.
Eu sou Ele, de cuja a boca saem labaredas.
Eu sou Ele! Sou a maior manifestação da Luz e das Trevas!
Eu sou Ele! A Graça do mundo!

Outra citação interessante é no Ritual Rubi Estrela é que após diversas evocações de Deuses Egípcios aponta para Pan como a criança prometida ao invés de Hórus. Pan é um Deus Universal, primitivo, criador de todas as coisas. Por isso I.O. Pan quer dizer que da União de Isis e Osiris nasce Pan, na forma de Hórus, o Rei dos Céus, o Falcão cujo um Olho representa o Céu e o outro representa a Lua.
Nas religiões Pagãs, o Deus, apresenta três aspectos, irmão, filho e consorte da Grande Deusa. Irmão porque ambos nasceram ao mesmo tempo, consorte e filho, porque ao engravidar a Deusa no Solstício de Inverno ele morre deixando a sua semente no útero da Grande Mãe para voltar a nascer na primavera.  
Dianus Lucifero, irmão gêmeo, filho e consorte da deusa Diana, é o senhor da luz e do esplendor.
Lucifero ou Lúcifer é o antigo nome do deus Romano do Esplendor. senhor da Estrela Matutina e Vespertina. Foi posteriormente transformado em diabo pelo cristianismo.
Dianus Lucifero (Divino Portador da Luz) também é conhecido como Dis em seu aspecto de deus da Morte e do além Mundo e Lupercus em seu aspecto de Criança da Promessa, portador da esperança e da Luz.
Dianus Lucifero é dotado de três aspectos:
O Cornífero: senhor das Florestas Selvagens e deus da Fertilidade, Sexualidade, Vida e Morte.
O Encapuzado: senhor dos Campos e das Plantações. rei da Colheita e senhor da Flora; Rex Nemorensis; semelhante ao Greenman dos celtas.
O Ancião: senhor da sabedoria e Guardião dos santuários.
O Culto da Stregheria ao deus Dianus Lucifero está intimamente ligado aos antigos Mistérios do deus Etrusco Tagni, e aos deuses Clássicos como Pã, Baco, Dioniso e Apolo.


Vamos comemorar, porque hoje é o dia de Pã! Io Pã...
Se você chamar ele virá...
Por toda parte ele está, tocando sua melodia encantada...
Chama, chama que ele vem...
Pã é amigo das bruxas...
É só chamar que ele vem, animal e homem, Deus enfim...
Venha Pã, venha Pã... Traz a sua Magia pra mim, em mim!

Sóror Fortuna