quarta-feira, 27 de julho de 2011

NOVAS PERGUNTAS E RESPOSTAS DE ESTUDANTES

By Frater Magister



Estudante:  Thelema prega, assim como algumas doutrinas orientais, a "supressão" (não achei termo melhor...) do Ego....?


FM: Não chega a ser um martírio como nas religiões orientais, aliás, nem se aproxima disso. Pelo contrário, você deve colocar os instintos inferiores sob vontade mágicka sem suprimi-los, ou seja, deve-se aprender a harmonizar instinto e razão. Uma vez tendo conseguido tal proeza, seu espírito fica pronto para o contato com o seu SAG.


Estudante: Seria esse o significado de "cruzar o Abismo"? Seria deixar o Ego para trás?


FM: Esse é um dos maiores mistérios pois o abismo está em Daat e lá estará Choronzon – o demônio do ego, também conhecido como devorador de iniciados. Leia meus ensaios que terá muito coisa interessante por lá.


 Estudante: Quando se atinge a conversação com o SAG, já se pode dizer que a pessoa "sublimou" seu Ego?


FM: Ou pelo menos passou a ter um estrito domínio sobre sua vontade mágicka, e esse já será um grande feito.


Estudante: Conversação com o SAG (Sagrado Anjo Guardião) - Frater, do pouco que já consegui deduzir, através de muita pesquisa, deduzi duas coisas (por favor, corrija se estiver errada):


- o SAG não é equivalente à visão cristã de "anjo da guarda"


- pode ser identificado com a idéia de self ou "Deus interior"


- a conversação é parte da consecução da "Grande Obra"


Pois bem... Ocorre que ainda não entendi um ponto...essa conversação é literal? Como se vc estivesse conversando com uma entidade, digamos assim? Ou é só no plano mental? É possível contatar o SAG com métodos análogos à invocação (Enochiano, Goetia)?


FM: Esqueça o SAG, decida-se agora qual a sua finalidade, para que quer estudar magia, para usá-la em seu benefício, para ajudar as pessoas, mera curiosidade, para que? Pense, reflita a que veio ao plano físico. Seria algo relativo a uma missão a ser cumprida, um esgotamento kármico, o que você acha? Você acha que conduzimos, somos conduzidos, ou lutamos para conduzir? Qual é o ponto que somos conduzidos para algo em nossa vida, em que ponto podemos nos assenhorear das rédeas da carruagem e conduzirmos nós mesmos a nossa vida? Pressupondo a existência de um SAG, como você gostaria que ele fosse para você, que transformações você espera em sua vida à partir do momento que estabeleça um contato com ele? O que você acha que vai mudar?


Estudante:  O Sr. poderia me dizer se "Juramento do Abismo" é uma espécie de pacto? Se a pessoa fizer, nunca mais pode voltar atrás? SE voltar, será severamente castigada...?


FM: O Juramento Mágicko é algo que deve ser muito bem pensado, pois são as decisões que o mago toma dentro de um contexto iniciático, o não cumprimento disso gera karma negativo a vida do Iniciado, não tem nada a ver com pactos que são acordos que você faz.


Estudante:  Daat seria "conhecimento"....mas....me parece que essa esfera corresponde a um período que o Magista fica às portas da insanidade..seria isso? Como se não soubesse distinguir o que é "real" e o que está na mente dele...?


FM: Bom Daat é algo realmente inexpressível porque pode se manifestar na vida da pessoa de diversas formas. Pode se reverter em ordálias do conhecimento causando reflexos em situações inesperadas até mesmo relacionadas no lado emocional, financeiro ou até mesmo na aura da saúde. É muito bom se estar preparada e quanto mais desequilibrada emocionalmente for a pessoa, mais ela sofrerá ou nem mesmo conseguirá fazer a travessia. Toda a vida iniciática é reflexiva a vida física em seu contexto material ou espiritual. Para cada pessoa o conhecimento trará diferentes sintomas especialmente quando houver determinados choques referentes à sua forma de ver o mundo. Nada é contextual tudo é implicitamente ligada a sua forma de sentir e ver o mundo.


 Estudante: A Verdadeira Vontade se relaciona à nossa vida em geral, em todos os aspectos, ou seria um aspecto mais restrito (profissão, por ex)?


FM: De certa forma. Só que vamos aumentar essa dimensão, vamos dizer que A Verdadeira Vontade te possibilita o entendimento de sua existência. Isso é o que os estudiosos do oculto buscam, uma compreensão superior sobre os mistérios da vida, especialmente os que estão ligados a nós e, portanto nos dizem respeito. Somos nós o Arcano do Louco que mergulhamos de cabeça no abismo sem medo de ser feliz, somos o Mago que faz a Magia da vida acontecer. E olhe, que não há para mim melhor sentimento do que ver meus alunos chegarem a determinadas compreensões, mas muito mais do que isso, aprenderem a utilizar metodicamente os conhecimentos que transmitimos em suas vidas.


Estudante: Se após alcançar a conversação com o SAG, estamos imbuídos de Sabedoria, pq alguns magistas eminentes tem fins tão trágicos (vide Jack Parsons, por ex). Seria, digamos assim, um "ordálio final"...?


FM: Minha cara, a semeadura é livre e a colheita sempre será obrigatória, fins trágicos pessoas tem todos os dias, posso citar “n” exemplos de ocultistas que tenho elevada consideração e que não tiveram fins trágicos. O ser humano gosta de pintar o quadro com as cores que lhe agrada e contar a versão da história que lhe seja mais conveniente. Não se pode é generalizar.


Estudante:  Se Mestre Therion atingiu níveis magísticos tão altos, pq teve um fim tão "opaco", digamos assim..? Seria uma "prova final", digamos assim, uma ordália extrema...perder tudo (fama.saúde, riqueza...)? Seria algo análogo ao "salvador que não salva a si mesmo", ou o "curador ferido"...? Não sei se consegui me expressar muito bem...rs.


FM: Vamos primeiramente separar o estudo do cientista, da vida do cientista, grandes cientistas podem muito bem ter sido pessoas problemáticas, mas isso não lhes afetou o raciocínio lógico para criação de seus inventos. Einstein, por exemplo, foi um deles, extremamente  sistemático, é só ler a sua biografia. Isto posto, possibilita entender grandes personagens do cenário ocultista. O que Crowley era para mim pouco importa, eu estudei seu sistema, e só estudei sua vida para compreender melhor seus pensamentos. Crowley por opção própria gastou sua fortuna pessoal até o último tostão para aprender sobre os mistérios, morreu do jeito que quis, viveu do jeito que quis, enfim o que importa, nem por isso perdeu a coroa do iniciado. Não sou de endeusar as criaturas, prefiro a compreensão de suas criações, não é isso?


Estudante: Conversação com o SAG - Entendi seu ponto de vista. Inclusive, anotei suas perguntas em meus estudos, e estou refletindo sobre as mesmas (os motivos de iniciar os estudos na Magia). O que eu queria mesmo saber é, se através da conversação com o SAG, é possível saber “a que estou aqui”, o Sr. entende? Entender melhor meu papel no universo e na vida das pessoas. O SAG pode me revelar isso...?


FM: Você está entendendo errado, você ainda está muito presa naquele sentimento ou sensação de que é necessário ter algo ou alguém que nos conduza. Toda descoberta de sua vida é pessoal e nenhum ser do astral, especialmente aquele que nunca teve uma existência física vai te ditar regras ou vai aparecer, igual a anedota do Samael numa mesa de bar para chorar as mágoas ou bater um papo cabeça. As energias abrem portas, dimensões acima do conhecimento ou humano que propiciam o entendimento das coisas da vida. Quanto mais você estuda Ocultismo, novas formas de ver e entender o mundo se abre para sua mente, tudo dentro da sua capacidade de entendimento, nem mais, nem menos. O mundo físico é uma matrix, só que é uma matrix difícil de se livrar.


 Estudante:  "Juramento do Abismo" - Frater, é possível que a pessoa tenha estudado magia em outras encarnações e por isso esteja se interessando em retornar a estudar, na presente encarnação? Pergunto isso porque já li em um artigo que se vc faz o Juramento do Abismo em uma encarnação, ele poderá persistir por todas a demais, até q vc cumpra sua Verdadeira Vontade a contento, é assim que funciona?


FM: De certa forma, mas a cada ego existencial você terá que chegar novamente até onde parou, refazendo o caminho, é como se vc repetisse o ano na escola, tem coisas que serão fáceis, mas quando você se deparar com aquilo que a deixou em dificuldade, você terá que vencer essa ordália, do contrário, recomeçará tudo de novo.


Estudante:  "Bebê do Abismo" e Daat - Frater, tem tempo específico para essas fases da experiência mágica (tipo assim..a pessoa passando anos, meses, como Bebê do Abismo...ou esse tempo transcorre meramente no plano mental/psicológico)....ou a pessoa, se incorrer em algum erro ou transgressão das leis mágicas, pode ficar “presa” nessas esferas, durante várias e várias encarnações?


FM: Não existe uma via de regra para uma experiência mística. A minha experiência é diferente da sua e de outrem, para cada um a passagem pelo abismo trará significados diversos, superficiais ou profundos. As pessoas variam de níveis mentais vibratórios, de níveis culturais, e até mesmo de níveis diversos da capacidade de sentir ou raciocinar. O que importa é a transcendência da operação mágicka ou mística, se você transcendeu a si mesma, se você atingiu a sua personalidade mágicka então estará no caminho.


Estudante:  O Sr., na sua opinião pessoal, acredita que esse mundo palpável (realidade física) que estamos tem natureza Qlifótica (dada a quantidade de absurdos, maldades e toda espécie de percalços), ou já seria  Malkuth, no sentido de um espelho “físico” de Kether?


FM: O mundo físico tem natureza física mas pode ser impressionado pelos fenômenos do mundo astral, pode receber influencias do mesmo. A Cabala é o espelho do próprio homem representado pelo homem primordial, ou Adam Kadmon, todas as emanações astrais das esferas estão inseridas no próprio homem, então, essencialmente as Qliphot também. Este é um tema complexo para ser expresso em poucas palavras, assim, continue seus estudos.


Estudante:  Poderia pedir aos seres da esfera de Mercúrio (inteligência) para me favorecerem? Isso seria possível? Mas o que eu poderia fazer por eles, já que estamos em diferentes planos de existência?


FM: Eu nunca fiz uso de forças astrais para passar em provas, e na verdade o máximo que estas forças podem fazer é a agir a nível mental tornando sua mente mais receptiva para os estudos, isso se você souber fazer o ritual de maneira adequada que nesse caso seria mais indicado a elaboração de um pantáculo. Mas, entenda que as entidades do astral obedecem a quem tenha autoridade astral para tal, não ao curioso. Leva-se tempo para obtenção disso.


Estudante: Quanto ao Pactorum não entendo quando vc diz que quem nos dá a prosperidade, o material, a fortuna são sempre os "demônios". Estou preocupada, pois sempre acreditei que o Universo nos dá saúde, dinheiro, espiritual etc.


FM: O Universo é expansão, dentro dessa expansão leis universais foram criadas de forma a manter o equilíbrio e a harmonia do caos, do contrário, a vida seria impossível ou então deveríamos considerá-la mera obra do acaso, coisa que não é. Dentro da Criação, o Pode Maior também possibilitou que o homem pudesse explorar os diversos mananciais que a natureza proporciona para o nosso crescimento e até mesmo bem estar, porque não? Há 5000 anos os hindus falavam do Fohat uma energia eletromagnética existente na natureza e de certa forma em todos os seres. Hoje o homem conhece o fohat e aprendeu a dominar a eletricidade. Falar de demônios como os seres “mauzinhos da criação” é querer crer que eles são o Mal e então Deus seria o Bem e daí começa a mesma estória religiosa oriunda do antigo dualismo da religião persa (vide Zoroastro ou Zoroastrismo) e depois adotado pela católica. Os demônios são os guardiões da natureza, e para que as pessoas possam ter acesso a determinados mananciais tais como esse que proporcionam, “de forma bem empregada”, como por exemplo, as energias da riqueza, elas precisam ter preparo. Assim, nosso rito começa uma semana antes da pessoa vir e depois continua depois de sua vinda, é algo muito maior e mais complexo do que querer crer que se trata de um mero acordo, “toma lá, dá cá”. Essa complexidade que inclui a maneira de fazer uso dessa energia fabulosa é que ensinamos da mesma forma que aprendemos.



sábado, 16 de julho de 2011

Os Antigos Astrólogos já sabiam disso!

Astroquímica: sincronia cósmica
GUIA PRÁTICO
A INFLUÊNCIA
DOS PLANETAS
SOBRE OS METAIS
Olavo de Carvalho
Revista Planeta, # 106, julho de 1981
Existe alguma relação entre os metais e os planetas, como
pretendiam antigos astrólogos? Uma experiência simples de laboratório
que você mesmo pode fazer em casa, dá a resposta: sim, a relação
existe. Não sabemos em que consiste, não podemos explicá-la, mas podemos
observá-la. Aqui, o pesquisador holandês 
Nicholas Kollerstrom [1] doutor
em ciências naturais e filosofia pela Universidade de Cambridge, mostra
como fazer essa experiência.

Os planetas influem no comportamento dos íons metálicos em solução. Descrevemos neste artigo uma experiência simples, que o leitor pode fazer em casa, e que demonstra a existência real dessa relação.
Já desde tempos remotos os metais conhecidos foram relacionados a determinados planetas, e suas propriedade eram explicadas em função dessa relação. Assim, a prata, metal que apresenta grande poder de reflexão, foi relacionada com a Lua, que reflete a luz do Sol. Vênus, planeta feminino, foi relacionado com o cobre, que é um metal maleável e macio. Marte, planeta guerreiro, foi relacionado com o ferro, usado na fabricação de armas de guerra. O velho e sombrio Saturno foi associado ao chumbo, metal esbranquiçado e sem brilho, que se usava na construção de tumbas. [2]
Sagitário: manuscrito do iraniano Abd al Rahman al Sufi (1630-1631).
No século 17, essa velha representação cósmica foi abandonada para dar lugar à química moderna. A atual teoria atômica explica as características dos metais de modo totalmente diferente, e parece não deixar lugar para as antigas concepções.
Nos últimos anos, entretanto, foram realizados muitos esforços para demonstrar a relação que existe entre os ritmos e ciclos da natureza terrestre e os processos cósmicos. Michel Gauquelin deu-nos uma boa visão desses esforços em seu livro Os Relógios Cósmicos. Neste artigo, pretendemos nos limitar a acontecimento cósmicos bem específicos: as conjunções eoposições (ângulos de zero e de 180 graus respectivamente) entre planetas. Para demonstrar a relação entre esses acontecimentos e os metais, empregaremos um método desenvolvido na Suíça por Rudolf Steiner e Eugene Kolisko [3] por volta de 1920.
A aparência
de um espetáculo
microcósmico
Percorrendo suas órbitas, dois planetas quaisquer formam periodicamente determinados ângulos entre si e com a Terra. Segundo a tradição astrológica, tais ângulos teriam significados especiais. Ainda não sabemos como eles influenciam os processos terrenos, mas podemos observar essa influência crescendo numa curva, tendendo para um máximo, e em seguida declinando. Processos químicos bem definidos, que ocorrem antes, durante e após o acontecimento cósmico, dão um reflexo simétrico, em plano menor, das modificações ocorridas sob essa influência. No momento da ocorrência cósmica, acontecem alterações no comportamento químico dos metais. Mas não de metais quaisquer — e sim daqueles que os antigos associavam justamente aos planetas envolvidos nesse acontecimento. Tais alterações no comportamento químico podem ser evidenciadas por experiências, onde esses metais são usados em estado relativamente sensível. Uma série de experiências desse tipo assume então a aparência de um espetáculo microcósmico, em que podemos acompanhar a seqüência, paralela, de um acontecimento cósmico.
A. Kircher, 1653: visão superposta grega, latina e egípcia do zodíaco.
Veja o
que acontece numa
conjunção Lua—Marte
Para a experiência, usa-se uma técnica cromatográfica simples. Misturamos soluções de dois sais metálicos e as depositamos em papel de filtro. Se usarmos os sais metálicos adequados, na concentração certa, os íons reagirão  lentamente, e, após um certo tempo, formarão um precipitado de prata coloidal. Enquanto a solução vai sedimentando no papel de filtro, a precipitação ou depósito assume um traçado característico, com linhas harmônicas. A precipitação da prata coloidal é extremamente sensível à luz. Assim como ela é o fundamento da fotografia, será um indicador ainda mais sensível para outras influências.
Para os fenômenos relativos à Lua e a Marte, usam-se prata e ferro. Das soluções de 1% de sulfato de ferro e nitrato de prata, retira-se uma parte de 1 ml de cada uma, misturando-as num recipiente apropriado. O sulfato de ferro reduz lentamente o nitrato de prata até a prata coloidal, que após dois ou três minutos começa a se depositar no papel de filtro. Usamos um papel de filtro de forma retangular, enrolado em forma de cilindro, e o colocamos imediatamente na solução, após a mistura.
Os resultados de uma dessas experiências na conjunção Lua—Marte podem ser vistos nas figuras 1 e 2. Elas também mostram as formas que aparecem no papel de filtro.
Anota-se o tempo decorrido entre a mistura da reação e o primeiro aparecimento de uma forma no papel de filtro. A cada série de três medidas de tempo, tira-se uma média. Determina-se também o número de manchas que aparecem no papel de filtro, e de três em três papéis se tira a média, como se vê na figura 1.
À medida que a Lua e Marte se aproximam um do outro, nota-se o aumento do número de determinadas figuras, enquanto aumenta, paralelamente, o tempo de reação.
Os gráficos ilustram o que vem a ser um critério de experiência bem-sucedida desse tipo: a cada minuto, pode-se dizer, pelo número de figuras e pelo tempo de reação, o momento em que ocorreu algum acontecimento no céu. A variação na rapidez desta reação química parece ser realmente uma medida para a duração do acontecimento cósmico.
Lua e Saturno:
a prata e o chumbo
obedecem ao relógio
cósmico
Para acontecimentos que envolviam a Lua e Saturno, empregamos soluções de ferro, chumbo e prata. Desta vez, mistura-se 1,5 ml de cada solução a 1% de sulfato de ferro, nitrato de chumbo e nitrato de prata. O sulfato de ferro torna-se branco, o nitrato de chumbo precipita-se e, em conseqüência disso, o depósito de prata coloidal no papel de filtro demora mais para aparecer. Neste caso, é preciso aproximadamente de 20 a 30 minutos para cada reação. As formas das figuras que aparecem no papel parecem mais “pesadas” do que na experiência anterior, mais “saturninas”, já que o velho Saturno é lento e pesado.
As figuras 3 e 4 mostram os resultados obtidos durante uma oposição e um eclipse entre Lua e Saturno. Também aqui cada ponto na escala representa a média de 3 medidas do tempo decorrido desde a mistura das soluções até que a primeira figura aparecesse no papel de filtro. Vemos aqui um acontecimento semelhante ao anterior, só que agora envolvendo Saturno. A inclusão do chumbo retardou imediatamente a reação. É uma reação bem mais lenta do que a curta e aguda reação determinada pela conjunção Lua—Marte. Desta vez são precisos 2 ou 3 dias para que as formas de desenvolvam no papel de filtro e adquiram seu aspecto característico. O velho e lento Saturno determina o tempo...
Planetário do século 17. Hoje, sabe-se cada vez mais sobre planetas.
Ocorre um eclipse quando a Lua está na frente de um planeta. O eclipse a que se refere a figura 4 durou cerca de uma hora. Durante esse intervalo, todas as formas desapareceram no papel de filtro. Daí o grande aumento de tempo que se vê no gráfico: a precipitação da prata foi detida. Quando Saturno desaparece, totalmente encoberto pela Lua, desaparecem também as manchas no papel de filtro. A precipitação da prata acompanha assim a exata posição de um planeta milhões de quilômetros distante de nós...
Representação de Marte (Gravura do século 15).
Representação zodiacal do planeta Vênus ((Gravura do século 15).
Como interpretar
a linguagem cósmica
das figuras no
papel de filtro?
Nas fotografias, vemos as manchas que aparecem no papel de filtro em dois acontecimentos entre Lua e Saturno, quando usamos soluções de ferro, chumbo e prata. A primeira seqüência foi feita durante uma conjunção, e a segunda durante uma oposição duas semanas depois. Por enquanto, ainda não sabemos como interpretar a linguagem cósmica dessas figuras.
O método do papel de filtro indica sempre o resultado da interação de dois planetas em relação a dois metais. Podemos, porém, utilizar um outro método, para acompanhar num único metal as alterações causadas pelos acontecimentos cósmicos. Este método não é tão exato quanto o do papel de filtro. Consiste em dissolver um sal metálico numa solução de silicagel, antes, durante e depois do acontecimento cósmico, e medir o tempo de reação. A reação consiste apenas no aparecimento de uma “árvore” de silicato de metal insolúvel. Medindo o tempo total que essas “árvores” demoram para atingir seu tamanho definitivo, obtemos uma cronometragem exatamente igual à do acontecimento cósmico.
Para experiências em acontecimentos entre Lua e Vênus, podemos usar cristais de sulfato de cobre, metal de Vênus. Em intervalo de tempo regulares, espalhamos dois ou três cristais numa solução de silicagel e anotamos o tempo que decorre até que apareça uma “árvore” de meio centímetro. A figura 5 mostra os resultados obtidos com este método numa oposição Lua—Vênus. No gráfico (que mostra valores médios de três em três medidas, numa escala logarítmica), pode-se ver como o tempo de reação varia à medida que nos aproximamos do momento exato da conjunção. Ele diminui antes do acontecimento, aumentando novamente logo depois. A figura 6 mostra um dos resultados obtidos durante uma oposição, mas desta vez levando em conta, também, os efeitos da variação da temperatura ambiente no local onde foi feita a experiência.
Nos dois casos, a Lua parece aumentar a influência de Vênus sobre a atividade dos sais de cobre: as “árvores” crescem mais rapidamente durante os acontecimentos cósmicos do que em outros momentos.
Vemos, assim, como os movimentos dos planetas têm uma relação com as interações entre íons metálicos, e como esse fato pode ser demonstrado mediante uma técnica, para a qual não se necessita de grande habilidade nem de aparelhagens complicadas. Os resultados descritos, evidentemente, não autorizam nenhuma conclusão sobre o tipo de relação de que se trata. É preciso assinalar ainda que os resultados das experiências com papel de filtro parecem ser alterados conforme o lugar onde se realizam. [4] Efetuei estas experiências em Sussex, e os resultados que obtive ao repeti-las mais tarde em Londres não foram exatamente idênticos, embora, enveredassem no mesmo sentido das minhas conclusões.
O holandês Nicholas Kollerstrom.

RESULTADO DOS TESTES
Figura 1 – Resultados obtidos durante a conjunção Lua–Marte
de 10 de março de 1970, às 23h36 (horário de Greenwich).
O gráfico assinala a variação no número médio de manchas
que apareceram no papel de filtro. Na seta, o súbito aumento
no número de manchas na hora exata da conjunção.
Figura 2 – Variação no tempo de reação durante
a mesma conjunção Lua–Marte da figura 1.
Na seta, o aumento do tempo de reação
na hora exata da conjunção.
Figura 3 – Oposição Lua–Saturno de 22 de abril
de 1970 às 22h56 (Greenwich). O gráfico mostra a
variação no tempo de reação. Na seta, o aumento
e subseqüente diminuição do tempo de reação na
hora exata em que se forma a oposição no céu.
Figura 4 – Eclipse de Saturno pela Lua a 21 de
junho de 1974, às 5h00 de Greenwich. Na seta,
o dramático aumento do tempo de reação
na hora exata do eclipse.
Figura 5 – Reação com silicagel e cristais de sulfato
de cobre durante a oposição Lua–Vênus de 1º/6/74,
às 14h54. Na seta, o aumento do tempo de reação
(formação da "árvore" de silicagel).
Figura 6 – Nova experiência com oposição Lua–Vênus
(30/9/74, 15h35). Na seta, o aumento do tempo
de reação com silicagel.
Figura 7 – Manchas no papel de filtro, antes, durante
e depois da conjunção Lua–Marte (10/3/70, 1h30).
Figura 8 – Antes, durante e depois da conjunção
Lua–Saturno (3/6/70, 1h30).
Figura 9 – Oposição Lua–Saturno.

QUEM QUER FAZER
CONOSCO A EXPERIÊNCIA
KOLLERSTROM?
O método Steiner-Kolisko para verificar a relação entre planetas e metais é bem conhecido entre os astrólogos, mas poucos têm a oportunidade de refazer por si mesmos essa experiência. Ao publicar este artigo de Nicholas Kollerstrom (originariamente publicado pela nossa associada, a revista Bres, de Haia, Holanda), Planeta não pretendeu apenas incentivar os estudiosos brasileiros de astrologia a refazer a experiência, mas oferecer-lhes uma oportunidade efetiva de realizá-la: a redação de Planeta se dispõe a promover um contato entre as várias pessoas interessadas no assunto e a coordenar a formação de uma equipe para refazer os testes de Kollerstrom. Evidentemente, essa equipe terá de contar com pessoas muito preparadas no estudo da astrologia, da química e da estatística, e submeter-se a todas as exigências necessárias para que a experiência tenha o máximo da confiabilidade e rigor científico. A redação da revista reserva-se o direito de selecionar os membros da equipe e indicar um pesquisador de gabarito para chefiá-la. A experiência será documentada e seus resultados publicados mais tarde em Planeta. Os interessados devem escrever para a redação de Planeta, indicando o tipo de formação — que possuem.
PARA QUEM
QUER TENTAR
SOZINHO
Se você quer fazer em casa e por sua conta a experiência do dr. Kollerstrom, estas são as instruções.
Antes de tudo, você tem de verificar nas efemérides (tabelas de posições planetárias publicadas pelas editoras de livros de astrologia) ou pedir a um amigo astrólogo que verifique a hora exata em que vai ocorrer o acontecimento — conjunção ou oposição — que vai estudar, sem esquecer de fazer as devias conversões horárias, pois as efemérides sempre marcam os acontecimentos pela hora de Greenwich, três horas a mais do que a hora oficial de São Paulo.
Para reações com
papel de filtro
Acontecimentos entre Lua e Marte
1) Misture, com o auxílio de uma pipeta, 1 ml de uma solução de 1% de nitrato de prata em 1 ml de uma solução de sulfato de ferro, ambas recentemente preparadas, em um recipiente bem limpo. Misture várias soluções ao mesmo tempo.
2) Não deve haver luz forte nas proximidades, pois o nitrato de prata é muito sensível à luz.
3) Logo após a mistura das soluções, enrole um papel de filtro retangular, formando um cilindro, e coloque-o no recipiente que contém a solução.
4) Anote criteriosamente o tempo decorrido até que a primeira mancha em forma de V comece a surgir em cada papel de filtro (aproximadamente três minutos).
5) Comece a fazer essas reações várias horas antes do acontecimento, e continue a fazê-las com intervalos de tempo regulares — por exemplo, de 15 em 15 minutos.
Acontecimentos entre Lua e Saturno
1) Use 1,5 ml de uma solução de 1% de sulfato de ferro, 1,5 ml de uma solução de 1% de nitrato de chumbo e 1,5 ml de uma solução de 1% de nitrato de prata. Misture-os, nessa ordem, em um recipiente bem limpo.
2) Use um papel de filtro mais comprido do que na anterior.
Para reações com
silicagel
1) Dissolva silicagel em um volume de água, na seguinte proporção:
(a) 1 parte de silicagel em 7 de água para reações com cristais de sulfato de cobre;
(b) 1 parte de silicagel para 5 de água em reações com cristais de sulfato de ferro (Marte).
2) Selecione cristais do metal escolhido, sendo cada um com vários milímetros de largura e todos do mesmo tamanho. Jogue-os na solução de silicagel.
3) Anote criteriosamente o tempo que os cristais levam para formar “árvores” dentro da solução.
4) Comece as reações várias horas antes do acontecimento cósmico e repita-as a intervalos regulares.
5) Faça cada reação num tubo de ensaio separado.
Aviso Importante
A temperatura ambiente e a umidade devem permanecer constantes durante toda a experiência.


[1] Nicholas Kollerstrom é doutor em ciências naturais pela Universidade de Cambridge e estudou a doutrina antroposófica de Rudolf Steiner no Emerson College, Sussex, Inglaterra. Hoje é pesquisador no Medical Research College, de Londres.
[2] Os antigos não estabeleceram a associação entre planetas e metais unicamente pela semelhança entre a aparência física do metal e as características “psicológicas” de cada divindade astral, mas também pela semelhança real entre os efeitos desse metal quando ingerido pelo ser humano e a ação atribuída aos planetas. Saturno, por exemplo, simboliza na astrologia tudo o que pesa, retarda e dificulta as coisas, enquanto o principal efeito psicológico da ingestão do seu metal, o chumbo, pelo ser humano, é justamente a maior lentidão de raciocínio e reações e a dificuldade de mover-se. A Lua, na astrologia, está associada ao delírio e às manias, enquanto a ingestão de prata (e principalmente do nitrato de prata) provoca delírio e confusões. Marte está associado à energia física, enquanto o ferro é um dos principais medicamentos nos estados de adinamia. Os homeopatas estão bastante acostumados a essa realidade. (A respeito, ver o livro de William Boericke Homeopathic Materia Medica).
[3] Rudolf Steiner (1861-1925), um dos maiores filósofos e místicos de todos os tempos, desenvolveu inclusive um tratamento para o câncer à base de seiva do visco, mas nesse sistema o visco tinha de ser colhido sob determinadas configurações planetárias. Criou ainda um sistema de agricultura onde os trânsitos planetários marcam as várias fases do trabalho, e esse sistema vem obtendo bons resultados em todo o mundo. As expectativas de sua assistente Madame Kolisko, bastante criticadas e jamais examinadas, estão expostas no livroMoon and the Growing pf Plants, editado em 1938 pela Antroposophical Publishing House.
[4] Provavelmente, a configuração astrológica individual do pesquisador também tem algo a ver com essas alterações. As famosas experiências do químico italiano Giorgio Piccardi, por exemplo, com a relação entre acontecimentos cósmicos e substâncias coloidais, exigem um ajuste das medições à hora e ao local onde se fazem as experiências.

Fonte:

domingo, 3 de julho de 2011

Ética ritualística da E.I.E. Caminhos da Tradição


Caros amigos e alunos;
É de suma importância  esclarecer a postura ritualística adotada pela E.I.E. Caminhos da Tradição.
· A E.I.E. é totalmente contrária à pedofilia (não realizamos trabalhos de espécie alguma para menores de idade e nem a fim de atingir menores de idade como amarrações por exemplo).
· Não apoiamos o aborto, e abominamos a violência de qualquer forma que ela seja praticada.
· Não realizamos rituais de cunho sexual em nosso templo.
· A vestimenta adotada para rituais em nosso Templo é Túnica Negra. Não há praticas de nudismo.
· Ninguém em nossa sede ou Templo é induzido à práticas ilegais ou a qualquer constrangimento ou ato obsceno.
· Não há sacrifícios de sangue em nossos rituais.
· Impera em  nosso Templo e  Sede total respeito por todos e entre todos.

é tempo de relaxar!

Saudações amigos!

Chegamos à metade do ano, é hora de diminuir o ritmo um pouco. Não é à toa que as férias estudantis são em Julho. É porque se o cérebro não descansar o aproveitamento cai e o rendimento diminui. Mas, não são apenas os estudantes que precisam deste descanso, todos nós precisamos.
Os finais e inícios de ano são geralmente muito agitados. Logo após as festas as responsabilidades vêm à tona de uma só vez, impostos, matrículas, contas... Depois carnaval, dia das mães, dia disso e daquilo e quando vemos já se passaram seis meses! E nós? Onde ficamos nesta história? Se continuarmos neste pique quando percebermos já estamos no final do ano outra vez, estressados e sem tempo para nós mesmos.
Eu sei, sempre há algo para fazer, mas se você não se der ao direito de um merecido descanso, pode ficar doente, daí é que não vai fazer nada mesmo! Se você não pode ter férias agora, pelo menos diminua o ritmo, dedique um pouco de tempo para pensar em você, na sua vida, fazer planos, o que precisa mudar? Por onde começar? Ninguém chega à lugar algum sem antes traçar uma meta! Há algumas perguntas que é preciso se fazer, não adianta fugir da realidade, encarar os problemas é a única forma de resolvê-los, as coisas não mudam sozinhas, é você quem deve fazer algo para que mudem.
1 – Estou feliz?
2 – Porque?
3 – O que preciso mudar?
4 – O que me faria feliz?
5 – Como está meu lado afetivo?
6 – E o lado financeiro?
7 – O que está errado?
O que está certo?
A gente não pode esperar ter algo ou alcançar uma meta para ser feliz, mas a falta de perspectiva é terrível. Quando fazemos algo que nos levará onde queremos ficamos de bem com nós mesmos. Não podemos desanimar de nossas metas, não fazer nada para alcançá-las pode nos levar à depressão. Não deixe para depois! Temos algumas sugestões que podem mudar a sua vibração mental e ajudar você a enxergar novas perspectivas em sua vida. “Um problema não pode ser resolvido enquanto você estiver na mesma vibração mental em que ele foi gerado”. Por isso temos algumas sugestões bem agradáveis para você relaxar e expandir a vibração mental ao mesmo tempo!
curso de autoconhecimento místico
Curso de Autoconhecimento Místico:Este curso é uma delícia! Você transforma a sua rotina em novidade! Faz tudo o que você faz diariamente de forma diferente e percebe coisas que você ainda não tinha notado. Por isso, abre a sua mente para novas possibilidades, melhora o raciocínio e a percepção.
Detalhes: http://www.cursosdemagia.com.br/autoconhecimento.htm

Curso de Alinhamento dos Chackras
O Despertar das forças Ocultas:
Este curso traz exercícios que além de alinhar os chackras e possibilitar o livre fluxo da energia por todo o seu corpo reenergizando-o, também proporcionará o aumento da percepção extra-sensorial e despertará lembranças adormecidas em seu subconsciente podendo inclusive trazer á tona dons e lembranças de vidas passadas. Aumenta a clarividência e a intuição.
Detalhes: http://www.cursosdemagia.com.br/alinhamento.htm


Curso de Mandalas
Além de possibilitar o auto-conhecimento e a conquista da unidade interior/exterior, o trabalho com mandalas traz, também, como conseqüência, uma vida mais intuitiva, mais criativa e individualmente mais livre, pois ajuda a entrar em sintonia com seu potencial interior, aceitando e enriquecendo seu imaginário. Este curso é destinado à todas as pessoas que gostam de Mandalas, que buscam o auto-conhecimento, equilíbrio, saúde mental e espiritual, desenvolvimento da criatividade e intuição e muito mais!
Detalhes: http://www.cursosdemagia.com.br/mandalas.htm

Tarot
O Tarot é um grande instrumento de meditação e um excelente conselheiro!
O Tarot de Thoth de Aleister Crowley é um dos mais lindos e o mais eficaz dos Tarots da atualidade. O Tarot de Crowley traz toda a simbologia da carta contida em cada uma delas em seus mínimos detalhes, o que facilita a leitura até para os menos experientes, pois a simbologia e até as cores tornam o significado de cada carta óbvio e deduzível. Esta é a versão mais bonita do tarot de Crowley, as cartas são grandes, medem 14 X 9,5 cm O Livro de Thoth em português encontra-se para download gratuito Aqui O Tarot de Crowley é um produto difícil de encontrar e de importar, por isso temos poucas peças no estoque para pronta entrega. Garanta o seu!
http://maisondelamagie.cursosdemagia.com.br


Desejamos à todos ótimas férias e um excelente momento de introspecção!