quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Curiosidade sobre a Goetia


Agares

O segundo espírito é um duque chamado Agreas, Agaros, ou Agares. Está sob a potência do leste e aparece na forma de um homem velho, montando em cima de um crocodilo e carregando um pássaro em cima de seu punho, no entanto revela-se suave na aparência. Ele tem o poder de percorrer rapidamente grandes distancias e retornar quando requisitado. Ensina todas as línguas ou dialetos presentemente. Ele também destrói dignidades temporais e espirituais, e causa tremores sísmicos. Pertencia à ordem das Virtudes e comanda 31 legiões de espíritos. 
Período: 31/03-09/04
Astros: Marte
Metal: Cobre
Elemento: Terra
Cor: Vermelho
Hierarquia: Duque
Incenso: Mirra
Direção: Oeste


*Pesquisamos a influência deste espírito sobre a humanidade e descobrimos que dia 31/03 é uma data que ocorre grandes abalos sísmicos em todas as partes do mundo.

Participe do nosso Curso Presencial de Goetia no próximo dia 24/08/13
Saiba mais:
http://www.cursosdemagia.com.br/clauneck.htm

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Societas Iesu


por:  Giselle Galvão 
(Sóror Fortuna)

A Companhia de Jesus cujos membros são conhecidos como Jesuítas é uma Ordem Religiosa fundada em 1534 por Iñigno López de Loyola (Santo Inácio de Loiola) juntamente com seus seis seguidores , a saber: o francês Pedro Fabro, os espanhóis Francisco Xavier,  Alfonso SalmerónDiego Laynez, e Nicolau de Bobadilla e o português Simão Rodrigues. O objetivo Inicial da Ordem era: "desenvolver trabalho de acompanhamento hospitalar e missionário em Jerusalém, ou para ir aonde o papa nos enviar, sem questionar". Nesta ocasião fizeram os votos de pobreza e castidade.
A Ordem foi reconhecida pelo Papa Paulo III e legalizada em 27 de Setembro 1540 pela bula "Regimini militantis Ecclesiae". Em 27 de Junho do mesmo ano Inácio de Loyola e os seus seis seguidores foram ordenados padres.
Inácio de Loyola escreveu as constituições jesuítas, adotadas em 1554, que deram origem a uma organização rigidamente disciplinada, enfatizando a absoluta abnegação e a obediência ao Papa e aos superiores hierárquicos (perinde ac cadaver, "disciplinado como um cadáver", nas palavras de Inácio). O seu grande princípio tornou-se o lema dos jesuítas: "Ad maiorem Dei gloriam" ("Para a maior glória de Deus").
A Companhia de Jesus, assim como Inácio de Loyola, foram num primeiro instante muito perseguidos pela Santa inquisição em especial devido aos seus “Exercícios Espirituais”, que levaram Inácio a ser preso por duas vezes, embora nunca puderam provar nada de impróprio em sua conduta moral e espiritual.
Porém, a Ordem foi fundada num momento em que na Europa ocorriam profundas transformações na sociedade. Surgia uma nova classe social, a burguesia, que não se encaixava nas limitações impostas pela Igreja da época. O Renascimento havia difundido um novo pensamento à população e a burguesia dava um novo fôlego ao comércio através do qual acumulava seu lucro que a Igreja condenava como sendo um pecado mortal, renegando as mudanças que vinham ocorrendo e se atendo aos antigos costumes feudais. No entanto, por sua vez, a igreja havia se afastado de seus dogmas de pobreza, humildade e sofrimento deixando a sociedade ainda mais descontente. A Igreja se tornara uma ostentação do luxo. Dona de muitas terras em diversos países (principalmente na Alemanha), a Igreja começou a se valer de diversos subterfúgios com o intuito de acumular ainda mais riquezas, como a venda de indulgências e de cargos eclesiásticos.  Este mal  comportamento unido ao descontentamento do povo foi o motivo pelo qual deflagrou a Contra Reforma ou Reforma Católica, iniciada por Martinho Lutero na Alemanha, Jean Calvin (João Calvino) na França e Henrique VIII na Inglaterra.
A Igreja ia perdendo o poder e influência sobre os países europeus, então, em 1545 realizou-se o Concílio de Trento, que durou até 1563 e pelo qual a Igreja tomou providências  para deter as reformas que haviam se alastrado pela Europa. Dentre uma série de medidas tomadas no Concílio podemos destacar o fortalecimento da autoridade do Papa e o surgimento de novas ordens religiosas, como a Companhia de Jesus, que atendia às expectativas dos cristãos da época.
O Concílio decidiu também, talvez inspirados pela rigidez Jesuíta a  criar regras para o clero, os padres deveriam estudar em seminários, estudando o catolicismo a fundo, coisa que não acontecia anteriormente, e estabeleceu-se um limite mínimo de idade para a ordenação: 25 anos para padre e 30 para bispo. Foi estabelecido também, que a Bíblia só poderia ser interpretada pela Igreja e foram mantidos os cultos das imagens e da Virgem Maria.
A Igreja, em sua queda, perdeu o domínio sobre a Inglaterra, metade da Alemanha e parte de diversos países da Europa. Desta forma, se viu obrigada a tomar medidas drásticas para frear a onda protestante que se alastrava pela Europa. Assim, foi reaberto antigo Tribunal da Santa Inquisição. Além disso, a Igreja publicou em 1564 o “Index Libro rum Prohibitorum”, onde listava todos os livros considerados hereges por pregar contra os dogmas da Igreja.
Devido ao seu evidente caráter de milícia e à sua estrutura relativamente livre (sem os requerimentos da vida na comunidade nem do ofício sagrado), o que lhes permitia certa flexibilidade de ação. a Companhia de Jesus tornou-se a arma mais poderosa contra  a Reforma Protestante. Os jesuítas foram solicitados pelos Reis e pelos Papas para serem enviados em missões de evangelização em diversos países do mundo. Forma enviados ao Reino do Congo em 1547, em 1548 ao Ceilão, Marrocos e às Molucas, em 1549 ao Brasil,  em 1552 à China, em 1555 à Etiópia. As missões iniciais no Japão tiveram como resultado a concessão aos jesuítas de um enclave feudal em Nagasaki, em 1580. Em 1661 foram enviados ao Tibet entre outras missões pelos países europeus.
Após a Contra-Reforma ou Reforma Católica o papado havia se fortificado e a Companhia de Jesus, fundada por Inácio de Loyola em 1543, tornou-se a escola dos filhos da nobreza o que ajudou a fortalecer ainda mais a Igreja.

Requisitos para ser um Jesuíta:

São membros da Ordem os professos, os escolásticos e os coadjutores.
Os professos devem ser doutores e, além dos três votos comuns têm o de obediência ao Papa, quanto às missões.
O Geral, os provinciais, assistentes e os professores de teologia devem ser professos.
O Geral, além dos assistentes, tem ainda o Admoestador.
O órgão superior de administração é a Congregação Geral na qual tomam parte todos os professos eleitos por suas províncias. Os assistentes são eleitos pelas províncias e o Geral é vitalício.
A Companhia possui casas de professos, colégios, residências e missões. O vestuário depende do lugar onde moram, não têm hábito próprio. Não há a obrigação do ofício de côro. Após quinze anos de vida religiosa proferem os últimos votos; devem passar dois anos de noviciado, três de filosofia, alguns de magistério, quatro de teologia, e um segundo noviciado que é chamado de terceiro ano de aprovação. Como em todas as ordens religiosas da Igreja Católica, os jesuítas também têm a prática do retiro espiritual, mas de modo especial praticam os Exercícios Espirituais de Santo Inácio.

A Supressão da Companhia

"Os jesuítas são uma organização militar, não uma ordem religiosa. Seu chefe é um general no exército e não um simples sacerdote ou um abade de um mosteiro. O objetivo desta organização é o poder. Poder em sua forma mais déspota. Poder absoluto, poder universal, o poder de controlar o mundo pela vontade de um único homem. Jesuitismo é a mais absoluta de despotismos; ao mesmo tempo, a maior e a mais enorme de abusos.
O general dos jesuítas insiste em ser o mestre e soberano sobre qualquer soberano. Onde quer que os Jesuítas sejam admitidos serão mestres e governantes de qualquer soberano, custe o que custar. Esta sociedade é ditatorial por natureza, por isso é um inimigo irreconciliável de qualquer autoridade constituída. Cada ação, cada crime, não importa quão atroz, é um trabalho que é considerado meritório, quando é feito em conformidade com os interesses da sociedade dos jesuítas ou cumprimento de uma ordem do general. - Memorial de cativeiro de Napoleão em Santa Helena, pp. 62, 174.”

O Grande poderio alcançado pelos Jesuítas passou a ser intolerado no século XVIII. Além se serem o baluarte mais forte dentro da Santa Sé, tinham posição destacada nas cortes como professores, pregadores e confessores e um certo predomínio científico manifestado tanto nos colégios como nas publicações. A sua influência política incomodava aos reis e outros governantes. Começaram-se então as intrigas  contra os Jesuítas que resultou na supressão da Companhia em 21 de Julho de 1773 sob a bula Dominus ac Redemptor do papa Clemente IV que cedeu às pressões dos reis e principalmente da Espanha, obtida quase à força pelo embaixador espanhol Moniño, órgão central de quase todas as maquinações antijesuíticas, no período da supressão.  Os Jesuítas sofreram diversas acusações, reais e falsas, muitos foram presos e até torturados e mortos, outros foram obrigados a deixar a Ordem. 
Como Papa Clemente XIV deixou a critério dos soberanos a publicação da bula, a czarina Catarina a Grande  os conservou na Rússia e usou a ocasião para atrair para o seu país os membros da Companhia, gente de grande erudição, o mesmo se deu com Frederico da Prússia, na Silésia.
Na ocasião da supressão os Jesuítas possuíam cinco assistências, 39 províncias, 669 colégios, 237 casas de formação, 335 residências missionárias, 273 missões e 22.589 membros.
 Em 1814, mudadas as cortes europeias pelas Guerras Napoleônicas Pio VII viu-se em condições de restaurar a Companhia, o que fez no dia 7 de agosto daquele ano em Roma, entregando a bula da restauração encíclica Sollicitudo omnium ecclesiarum aos velhos padres ainda existentes e ali reunidos. O Superior Geral Thaddeus Brzozowski, que havia sido eleito em1805, adquiriu então jurisdição universal.

Teriam os Jesuítas Ligações com  a Ordem dos Illuminati da Baviera?

Atualmente alguns grupos extremistas isolados, que defendem a “Teoria da Conspiração” acusam a Ordem Illuminati de possuir um plano para “Governar o Mundo”, chegaram a dizer que tal Ordem pertencia aos jesuítas devido ao fato da Ordem Illuminati da Baviera ter sido fundada em 1 de maio de 1776 (Noite de Walpurgis) –  apenas 3 anos após a supressão da Ordem poAdam Weishaupt – que estudou desde os 7 anos de idade em um colégio Jesuíta vindo a formar-ser na Universidade de Ingolstadt, (Universidade Jesuíta) em 1768 aos vinte anos de idade. Acredita-se em 1771 Weishaupt conheceu um comerciante dinamarquês chamado Franz Kolmer, que o introduziu às práticas mágicas do Egito e as doutrinas maniqueístas antirreligiosas, provocando na mente do jovem Weishaupt um espírito anarquista e de pouca tolerância para a religião.
Em 1772, se tornou professor de direito civil e canônico na Universidade de Ingolstadt. Muito rapidamente a concepção liberal de Weishaupt entrou em conflito com os jesuítas, no entanto, pela dissolução da Companhia de Jesus pelo Papa Clemente XIV em 1773, Weishaupt se tornou reitor da Faculdade de Direito da Universidade, uma posição que era realizada exclusivamente pelos jesuítas até aquele momento, ou seja, Weishaupt nuna foi Jesuíta e a ordem dos Illuminati da Baviera nunca teve nada a ver com os Jesuítas.  No entanto muitos outros grupos e Sociedades Secretas se auto intitularam Illuminatis, mesmo sem ter nenhuma ligação com os Illuminati da Baviera. Porém este é um tema para ser discorrido em outra oportunidade por ser por demais extenso.
Vale citar ainda que muitos livros de Magia Medievais, condenados pela Igreja trazem como parte de seus ensinamentos fórmulas que ensinam a evocar demônios e pactuar com eles, a maioria destes tem a autoria atribuída à Papas, em especial ao Papa Honório III, ao Papa Leão III e ao Papa Clemente, entre outros. Todavia nestes livros sempre aparece o símbolo dos Jesuítas dentro do círculo evocatório. Apesar do Símbolo do Sol nos remeter ao culto pagão do Sol Invictos, do meu humilde ponto de vista, estes livros foram divulgados com a intenção de denegrir a imagem dos Jesuítas devido ao grande poderio por eles alcançado e consequente incomodo causados aos homens de poder da época. Houve um momento na história que os Jesuítas praticamente dominaram toda a Europa, por sua grande erudição, estavam nos parlamentos, nos gabinetes dos reis, nas Universidades, eles se tornaram os professores dos filhos dos nobres e possuíam a Sociedade Europeia na palma das mãos. Eles foram usados pela Igreja e alcançaram um poder maior do que o da Igreja! Não estou defendendo arduamente os Jesuítas, é evidente que onde há poder e muitas pessoas envolvidas sempre há corrupção, no entanto Inácio de Loyola a meu ver teve a mais pura das intenções ao criar a Companhia de Jesus, ele não tinha motivos para deixar de lado sua nobreza e nem certeza do sucesso da Ordem. Se Napoleão Bonaparte estiver certo: “O objetivo desta organização é o poder.(...)  Poder absoluto, poder universal, o poder de controlar o mundo pela vontade de um único homem”. Então este é o momento! Eles alcançaram seu objetivo: O Papa Francisco é o primeiro papa Jesuíta, líder espiritual de 1,2 bilhão de católicos.


Círculo Mágicko retirado do Grande Grimório – livro antigo de Magia.



quarta-feira, 19 de junho de 2013

Yule - 21/06
                                                   Sóror Fortuna

É desta data antiga que originou-se o Natal Cristão. Nesta data a Deusa dá a luz ao Deus, que é reverenciado como Criança Prometida. Em Yule é tempo de reencontrarmos nossas esperanças, pedindo aos deuses que rejuvenescem nossos corações e nos deem forças para nos libertarmos das coisas antigas ou desgastadas. Coloque flores e frutos da época no altar. Se quiser pode fazer uma árvore enfeitada, pois esta é a antiga tradição pagã, onde a árvore era sagrada e os meses do ano tinham nomes de árvores. Esta é a noite mais longa do ano, onde a Deusa é reverenciada como a Mãe da Criança Prometida ou do Deus Sol que nasceu para trazer luz ao mundo.
Tradição: Queimar o tronco de Yule, enfeitar árvore
Incensos: cedro, pinho e mirra
Bebidas: Vinho com especiarias ou cidra com canela
Comidas: nozes, frutas como maçã, pera, laranja. Limão e docinhos de Yule.

Docinhos de Yule

Ingredientes: (massa)
4 ovos
2 gemas.
80 gramas de açúcar
Raspas de ½ limão
80 gramas de farinha
Recheio e decoração
400 gramas de chocolate para fundir
250 gramas de mantega
150 gramas de açúcar
1 colher de Rum branco
8 cerejas

Preparo 
Bater as gemas com o açúcar e o limão até ficar cremoso. Acrescentar a farinha. Bater as claras ao ponto de neve e misturar tudo com cuidado. Forrar uma forma quadrada com papel alumínio e esparramar a massa, assar à temperatura de 200º por aproximadamente 15 min. Retire o papel alumínio e enrole a massa com a ajuda de um pano. Deixe esfriar. Derreta o chocolate em banho Maria e reserve. Bata a manteiga com o açúcar, acrescente o rum e junte com o chocolate. Desenrole a massa, cubra com o creme de chocolate, reserve um pouco para decorar, enrole novamente e cubra com chocolate e enfeite com as cerejas. Leve ao refrigerador até a hora de servir.
* Não faça a massa muito grosso para não quebrar ao enrolar, se sobrar massa use 2 formas. Pessoas mais habilidosas (do que eu) nem usam formas, simplesmente forram as grades do forno com papel alumínio e assam ali mesmo.

Tronco de Yule

      O Tronco de Yule é um pedaço da árvore enfeitada do Yule anterior que se guarda a cada ano para queimar no Yule seguinte. Se esta é a primeira vez que você comemora Yule não tem problema. Pegue um pedaço pequeno do galho de um pinheiro e grave nele com seu athame um sol. Á noite no momento da celebração queime este pedaço de tronco, com cuidado para não se machucar ou causar um incêndio dizendo: “A Roda Gira e o poder arde”! Enquanto o tronco queima visualize a imagem do Deus Sol brilhando dentro dele e medite sobre o renascimento.
Se preferir pegue este pedaço de pinheiro achate um dos lados para servir de base. Faça 3 buracos para velas, coloque uma vela branca (representando o Inverno), uma vela dourada ou verde ( representando o Deus Sol), e uma vela preta ( representando o útero da Grande Deusa). Decore com folhagens verdes (azevinho ou hera) com guirlandas vermelhas e douradas, botões de rosa, cravo e polvilhe com farinha branca. Esta Tora poderá então ser queimada, ou guardada para ser reutilizada no ano seguinte, redecorada com ramos frescos. 

Ritual 
(adapte este ritual de acordo com o seu panteão).

Abra o círculo. Evoque os 4 elementos, evoque à Grande Deusa. (Não evoque o Deus ainda, porque a altura ele ainda não nasceu).
Posicione-se de frente para o altar contemplando o caldeirão e diga: 

Não sinto dor, ainda que o mundo esteja envolto em sonhos;
Não sinto dor, ainda que os ventos gelados soprem;
Não sinto dor, isto também logo passará.

Acenda um fogo dentro de seu caldeirão, pode ser com álcool ou acenda uma vela vermelha. O Caldeirão representa o útero da Grande Deusa e o Fogo representa o Deus que está para nascer. Então diga:

Acendo este fogo em tua honra Deusa Mãe;
Criaste vida da morte, calor do frio, 
O Sol renasceu, o tempo de luz está crescendo
Fogo para a Força!
Fogo para a vida!
Fogo para o amor!
Bem vindo Deus do Sol que sempre retorna!
Salve Mãe de tudo!

Caminhe ao redor do altar e do caldeirão observando as chamas e cante:

Gira, gira, gira a roda 
A chama que havia se apagado se acendeu
Roda e roda, gira e gira
Retorna, retorna, retorna à vida, gira e gira.
Bem vinda seja a luz do Sol.
Adeus às disputas.
Roda e Roda, gira e gira
O Deus Sol morre, o Deus Sol vive
Roda e roda, gira e gira;
A morte abre as mãos e doa novas vidas
Roda e roda, por onde vai
Gira, gira, gira, a roda
A chama que havia apagado se acendeu!
Roda e roda, gira e gira...

Volte e novamente de frente ao altar medite sobre as energias ocultas adormecidas no inverno, não apenas na terra, mas dentro de nós mesmos. Pense no nascimento não como início da vida, mas como continuação. Depois de alguns minutos de meditação, olhando para o caldeirão saúde e dê as boas vindas ao Deus dizendo:

Grande Deus do Sol, dou boas vindas ao teu regresso.
Que brilhe fortemente sobre a Deusa,
Que brilhe fortemente sobre a Terra espalhando sementes e abonando o campo.
Todas as bênçãos sobre ti, renascido do Sol!

     Se quiser pode aproveitar o momento para trabalhos mágicos de renascimento e renovação. No entanto, eu particularmente acredito que devemos respeitar os Sabbats como dias de dar graças e honras aos Antigos sem pedir nada em troca. Afinal temos o ano todo para fazer trabalhos e pedidos.

Depois celebre com os comes e bebes e feche o círculo, despedindo-se dos Deuses. 

* Se for festejar com os comes e bebes em outro local, não se esqueça de trazer um pouco para o local do ritual, oferecer para os Deuses e brindar e comer deste alimento abençoado.

domingo, 16 de junho de 2013

O Símbolo do Zodíaco e os Apóstolos de Cristo.

Pergunta de um estudante: Qual a relação de Cristo com o zodíaco como é representado no afresco pintado por Leonardo Da Vinci representando a Santa Ceia?

O Zodíaco

Francisco Marengo (Frater Magister):  Vamos começar essa compreensão visualizando a figura do Zodíaco. No meio do símbolo você encontra o Sol, esse símbolo antigo foi concebido para representar a passagem do Sol através do ano. A palavra zodíaco vem do grego e significa "círculo de animais". O simbolo foi dividido em quatro partes, traçando uma cruz exatamente sobre o Sol. Então agora, focando na jornada do sol, vemos que no mundo antigo, muito tempo antes do suposto nascimento de Jesus, você encontra diversos "outros" deuses cujo aniversário era celebrado dia 25 de dezembro. E por que será? Porque em dezembro em torno de 21 e 22 de dezembro é o ponto mais baixo do ciclo anual solar no hemisfério norte, que é chamado de solstício de inverno ou como conhecido no Paganismo por Yule. Nesse período os povos antigos diziam que o Sol ou o Deus havia morrido e três dias depois ressuscitaria, ou seja, o Deus-Sol começaria sua jornada até seu ápice no verão e nesse dia, 25 de dezembro, era dito que o Sol renasceu novamente. 
Constantino
Assim, temos o cristianismo criado por um Imperador Romano Constantino adorador do Deus-Sol, através do Culto do Sol-Invictus. Ora, esse fato não era de se estranhar, pois já a muito tempo antes já existia o sincretismo religioso que trocava o nome dos deuses conforme a cultura e o povo. Ou então, os deuses dos vencidos eram transformados em demônios. Assim, o Imperador Constantino e o Catolicismo Romano nada mais fez, do que adaptar cultos antigos, sincretizá-los em santos e virgens, e demonizar aquilo que não lhe fosse conveniente. É por isso que o aniversário de Jesus é dia 25 de dezembro, e se diz que quando ele morreu levou três dias para ressuscitar. Na altura da Páscoa, o Sol entra em Áries - o Cordeiro, então Cordeiros eram sacrificados nessa época, porque os antigos acreditavam que ao sacrificá-los aos deuses, eles teriam boa fortuna, fertilidade e seus pecados ou faltas seriam perdoadas. É nesse ponto que você encontra o simbolismo de Jesus e de tantos outros espelhos no mundo pré-cristão, onde se diz que o cordeiro morreu para que nossos pecados fossem perdoados. O que os povos antigos fizeram foi simbolizar o Sol do dia 25 de dezembro como um bebê, um jovem na páscoa e homem forte no início do verão, perdendo seu poder no outono como um homem velho até sua morte no solstício. 
E o Sol era normalmente simbolizado com um homem com longos cabelos. Abaixo a figura de Metraton, a inteligência solar.
Metraton

A cruz celta, por exemplo, representa, a cruz e o Sol. Daí você vê esses símbolos, ou seja, a cruz e a coroa, representando o poder, a monarquia, ritos maçônicos, por exemplo, o Rito de York. 





No famoso quadro de Leonardo da Vinci, Jesus representa o Sol envolto a uma auréola e os doze discípulos, os doze signos do zodíaco, agrupados de três em três, ou seja três vezes quatro, que representam os três meses de cada uma das quatro estações do ano. 



Na antiga Babilônia temos Nimrod, o pai, Tammuz, o filho, eram um, filho e pai, e aí você tinha a rainha Semíramis, a mãe virgem de Tammuz. Daí temos Pai, mãe e filho. A Trindade. Nimrod era representado como a águia bicéfala. Nimrod morreu com um cordeiro aos seus pés, foi posto numa tumba e três dia após se retirou a pedra que selava a tumba e não havia ninguém lá. Curioso, não? Temos outro Deus-Sol, chamado Mithra, que foi encontrado em artefatos na Pérsia. Mithra nasceu em 25 de dezembro, de uma mãe virgem, morreu para que nossos pecados fossem perdoados, trouxeram ouro, incenso e mirra no seu nascimento. Chamavam-no de Vino (vinho?), o senhor pastor, ou seja, tudo aquilo que você encontra no Novo Testamento você descobre que o mesmo era dito sobre Mithra. 

Onde se encontra hoje o Vaticano, foram encontrados artefatos de Mithra, já que era um antigo local de adoração desse Deus. E ele foi cultuado até a suposta época de Jesus, quando mudaram seu nome. O que foi dito sobre Jesus-Mithra é exatamente o que se sabe também sobre Hórus, o filho do Deus Osiris e de Ísis, porque sabe-se que os Fenícios viveram onde posteriormente viveram os egípcios e possivelmente sincretizaram a mesma história, ou seja, Nimrod, Talmuz e Seramis, se tornaram Osíris, Ísis e Hórus no Egito.



Vejamos agora o papa, em sua cabeça, aquele chapéu engraçado, é o Míter. Se você olhar de lado parece uma cabeça de peixe. O peixe é o símbolo de Nimrod, o deus babilônico citado acima, enquanto Semíramis era representada por um pombo, símbolo atual do Espírito Santo. Para maiores informações, leia nosso ensaio sobre o Concílio de Niceia:
http://www.cursosdemagia.com.br/concilio.htm

domingo, 17 de março de 2013

Que se rompam os véus de Isis!

Aceitação
 Que se rompam os véus de Isis!

  Já se tornou tradição ouvir a palavra “aceitação” como referência para o caminho da felicidade. Tal palavra muito pronunciada por religiosos, terapeutas e falsos profetas sempre nos induzem ao conformismo: - aceitar as nossas imperfeições, a pobreza, a dificuldade que as circunstancias da vida nos impõem. Isso é péssimo! Nós não devemos nos conformar, prec...isamos compreender e vencer tais empecilhos que atravancam a nossa evolução e realização pessoal.
Se é para aceitar alguma coisa eu sugiro que partamos dos seguintes princípios:
• Somos seres Divinos por Natureza e possuímos poderes latentes dentro de nós, basta simplesmente ativá-los e desenvolvê-los para podermos usá-los.
• Usamos apenas dez por cento do nosso potencial cerebral, contudo, o homem já realizou maravilhas com esta parte ínfima de seu potencial total, podemos concluir portanto que se trabalharmos à nossa mente poderemos ultrapassar limites jamais imaginados pelo homem.
• Se utilizamos somente uma parte do nosso potencial cerebral quer dizer que também percebemos somente uma porcentagem do que existe em nosso Universo, portanto não acreditar no que não vemos é uma tolice. Mesmo porque nossa visão física é demasiado limitada, enxergamos detalhadamente somente aquilo que nos rodeia, e ao direcionarmos nosso olhar para o horizonte, percebemos uma tênue linha que separa o céu da terra e sequer sabemos o que tem por trás das montanhas ou o que há no caminho que nos leva até lá.
• Estamos interligados à tudo o que existe como células de um grande organismo. Portanto nossos pensamentos e sentimentos se comunicam e influenciam tudo à nossa volta. E isto se estende há vários planos de existência!
• Não estamos sós, o Universo não foi criado a esmo ou por acidente. Existe um plano para cada um de nós e uma verdade maior por detrás de tudo o que vemos. Embora nossa consciência temporal muitas vezes não tem conhecimento deste plano, nosso Eu Superior que habita dentro de nós mesmos conhece este plano e o nosso trabalho é ajudá-lo a concretizar esta missão para a qual foi designado antes de nascermos.
• O nosso Eu Superior é uma faísca de Deus dentro de nós que nos guia em todos os momentos de nossa vida, podemos expandir esta chispa e deixar que ela tome conta de todo nosso ser.
• Existe uma hierarquia no Universo e seres que habitam diversos planos de existência. Estamos aptos a nos comunicar com todos estes seres, bem como com as forças da Natureza, animais e plantas. Para sermos felizes na vida e plenamente realizados precisamos estar em harmonia com o Universo e respeitar todas as formas de vida e todos os seres, deste e de outros planos, bem como o Planeta em que vivemos que é o Reino da nossa Grande Mãe!
• Ao estudarmos a mitologia entendemos que somos feitos de acordo com a vontade dos Deuses e em sua própria imagem e semelhança, porém ao estudarmos a mitologia Suméria, que é a Mãe de todas as mitologias compreendemos que por ocasião da fundação da Terra e criação da raça humana, todos os Deuses de todos os planetas presentearam nosso planeta com o que haviam de melhor. E, que nosso corpo foi feito à partir do corpo e do sangue de um Deus. É por isso que a astrologia nos influencia tanto, é por isso que os metais reagem na hora exata de cada planeta e é por isso que devemos ter consciência que somos uma raça de semideuses em pleno desenvolvimento e que um dia seremos Deuses também, então partiremos para governar e criar outros mundos. É por isso que o Universo está em expansão!
Tendo em mente tudo isso devemos aceitar que não estávamos fazendo o nosso melhor porque não tínhamos consciência da importância de cada um de nós, portanto à partir de agora aceitaremos as seguintes condições:
• Dar sempre o melhor de si em tudo o que fizer!
• Não reclamaremos de problemas de pouca importância.
• Vislumbraremos a Grande Obra da Criação e agradeceremos a cada dia pela vida e pelas pequenas vitórias, pois somente assim estaremos preparados para as grandes conquistas.
• Teremos em mente que as grandes vitórias pertencem aos grandes guerreiros, portanto antes de desejar aquilo que não temos, primeiro devemos nos preparar para merecê-lo.
• Entenderemos que somos todos parte de um só organismo, portanto qualquer ação destrutiva a outro ser humano, animal, vegetal ou espiritual, consequentemente trará resultados desastrosos pra si próprio e tudo ao seu redor. Por isso buscaremos por todas as forças estar em plena harmonia com tudo o que existe!
• Compreenderemos que cada pessoa tem o seu papel e a sua função, portanto a inveja e o desejo de ser ou ter o que não lhe pertence é pura ignorância. O que não significa de forma alguma que cada pessoa não possa ter suas próprias vitórias e conquistas, pelo contrário, ao deixar de se preocupar com as coisas alheias mais perto se aproxima de seu próprio sucesso.
• Aceitaremos que o Universo é pleno, repleto de possibilidades que jamais imaginaremos e que toda limitação é ilusão de nossa própria mente. O impossível não existe e tudo o que se pode imaginar, pode-se criar e acontecer. Portanto à partir de hoje ACEITAREMOS que todos os nossos sonhos e projetos são passíveis de realização e depende somente de nós e do Universo e o único empecilho para a nossa felicidade são limites que nós mesmos nos impomos porque esquecemos da nossa condição Divina e de parte do Universo. O Universo só responde às suas atitudes e pensamentos, portanto se você não está indo bem, que tal parar e se entregar ao ritmo Universal? Assim você entra nesta dança cósmica e à partir daí vai aprender a vibrar na mesma sintonia e todos os caminhos se abrirão e a felicidade sorrirá para você!
• Aceitaremos a existência de planos invisíveis e entenderemos que todos estes planos estão em sintonia e que todos juntos trabalham para manter o equilíbrio do Universo, por isso, o contato com estes planos pode ser muito valioso, trazer muito aprendizado e conhecimento, além de expandir a nossa visão de Universo de forma imensurável.
• Aceitaremos o sucesso, a felicidade, a saúde, a riqueza, e tudo que de bom existe como realizações naturais do ser humano e que por direito lhe pertencem sem culpas ou remorsos.
E por fim aceitaremos a culpa todos os erros e ordalias de nossas vidas, sem tentar justificá-los ou colocar a culpa em outrem, afinal as pessoas só entram em nossas vidas quando deixamos, portanto se alguém fez alguma coisa contra você, ou por você de forma errada, ainda assim a culpa foi sua que permitiu. Então, à partir de agora assuma a responsabilidade de sua própria vida e faça você mesmo aquilo que deve fazer! 


 Fiat Lux!
Escrito na Sede da E.I.E. Caminhos da Tradição em:
An iv20 Sol 27° Pisces, Luna 13° Gemini Dies Lunæ
segunda-feira, 18 de março de 2013 e.v. 02:32

sexta-feira, 1 de março de 2013

Será que foi ataque mesmo?

 
Será que foi ataque mesmo?
Por: Sóror Fortuna
 A maioria das pessoas quer ser médium, quer ver espíritos e ouvir vozes do além, mas quando a mediunidade começa a aflorar junto com ela um grande tumulto toma conta da mente do indivíduo. Primeiro ele começa a achar que está ficando louco, depois ele pensa que tudo que se manifesta esta o atacando. Será mesmo?
Não é tão fácil para o espírito se manifestar quanto se pode imaginar. Há um grande esforço da parte dele também, por isso frequentemente procuram pessoas que tem a capacidade de fornecer grande quantidade de bioplasma para que ele possa se comunicar. Ás vezes a pessoa faz isso inconscientemente. Entra também neste contexto a questão do local ser propício ou não para a aparição. Os locais mais propícios são aqueles onde há grande quantidade de energia desprendida. Por exemplo: locais onde houveram mortes violentas; locais onde há muita briga e discórdia; locais onde existem várias pessoas reunidas emanando o mesmo tipo de energia, por exemplo Templos e Igrejas; motéis, por causa da energia sexual, etc. É importante lembrar que cada tipo de energia emanada atrai um tipo de entidade. Por exemplo: locais onde se bebe e joga vai atrair entidades que gostam de jogos e bebidas e assim por diante. Em escala menor podemos dizer que as entidades que se aproximam de nós, vem também atraídas pelo tipo de energia que emanamos. Por isso é importante policiar os pensamentos. Neste ponto podemos abrir um parêntese para explicar sobre a filosofia do pensamento positivo para atrair energias positivas. Existe basicamente dois tipos de energias no universo: Energias que chamamos de cegas que são atraídas simplesmente por afinidade e Energias inteligentes que são os espíritos e nós mesmos em estado mais denso, mas deixemos esta complexidade de plano e densidade para outro momento. Por enquanto consideremos simplesmente Energias Cegas e Energias Inteligentes.
Ás vezes estamos nos sentindo mal e incomodados , como se diz em linguagem popular por estarmos “carregados” de energias ruins. De onde vieram estas energias? De qualquer lugar, pode ser que passamos por um local tenso onde houve ou frequentemente há discussões e problemas e captamos esta onda nefasta e por estarmos cansados, nervosos, doentes, distraídos ou com desequilíbrio  dos chackras esta energia conseguiu entrar em nosso campo astral e nos influenciar. Por exemplo: foruns, hospitais, delegacias, presídios, cemitérios e velórios são locais péssimos para se frequentar. Pode ser também que outras pessoas tenham direcionado estas energias para nós, por inveja, raiva, discordância,  por ser concorrente ou rival. E, ainda há a possibilidade de que nós mesmos, de forma inconsciente tenhamos atraído estas energias para nós através de pensamentos negativos, pessimistas e acredite até por se apiedar de outras pessoas. Quando sentimos dó de outra pessoa, puxamos um pouco de seu sofrimento para nós, os ocultistas chamam isso de adquirir o carma de alguém. Por isso que as pessoas  não entendem porque ajudam tanto os outros e suas próprias vidas não caminham bem. É porque se está adquirindo parte do carma de outro para si mesmo. Nós, quando sentimos pena de alguém automaticamente acionamos duas situações diferentes: primeiro abrimos o nosso campo astral e permitimos a entrada desta energia nele. Segundo, assumimos a responsabilidade de outro interferindo na sua evolução pessoal, ou seja; a pessoa está passando por um momento difícil que irá fazê-la evoluir espiritualmente (ordálias iniciáticas) e vem você, o bondoso e mete o bedelho onde não foi chamado e atrasa o processo. Neste caso você está gerando um carma negativo para você mesmo. Não estou dizendo que é errado ajudar os outros, não é isto, o que eu quero dizer é que tem formas e posturas corretas para fazer isso. A primeira postura é não sentir dó. A dó é um sentimento indigno de se dedicar a um ser humano. Quando assumimos a ordália de alguém por pena estamos sendo soberbos e acreditamos que somos superiores à esta pessoa. Ninguém pode se julgar melhor que ninguém, se a pessoa está passando por situações difíceis foi por que em algum momento de sua vida plantou isso e por isso deve estar pronta para superar o seu erro. Só assim poderá evoluir.  Você não pode fazer tudo por ela, você poderá ajudá-la, ensiná-la e para que ela tenha consciência disso e dê o devido valor à benesse recebida seu trabalho deve ter um preço, deve ser uma troca de favores, pois de outra forma a energia será descompensada. Enfim, quando estamos simplesmente com desequilíbrios energéticos, “carregados” ou “descarregados”, nos sentimos apáticos, excessivamente cansados e muitas vezes parece que o mundo está contra nós, as coisas começam a dar errado e até as pessoas parecem ficar agressivas com a gente sem motivos. No entanto, este é um problema simples de ser resolvido. Defumações, banhos de ervas, alinhamento dos chackas e outras práticas alternativas podem resolver facilmente o problema.
Mas, quando se trata de Energias Inteligentes o problema fica mais grave! Porque? Simples, a entidade que está atacando é inteligente e não será tão fácil assim livrar-se dela. Neste momento inicia-se uma verdadeira guerra mágicka. A entidade vai tentar te enganar de todas as formas para não ser expulsa. Trata-se de um ser inteligente como você não o subestime! Ele pode ter seus motivos para o estar atacando, pode estar ligado ao seu passado desta ou de outra vida. Pode estar ligado não só a uma pessoa, mas em muitos casos estar ligado à uma família, pode ser fruto de desavenças de vidas passadas ou maldições, são verdadeiras perseguições que muitas vezes para nós, encarnados não faz o menor sentido por estarmos vivendo  outra vida, outra realidade, mas para o ser em questão nada mudou e ele está disposto a se vingar. E, ainda há a possibilidade de alguém ter enviado a entidade para lhe causar um mal através de feitiços e trabalhos de magia.
De um modo geral a entidade que está atacando opera na mente da vítima, muito raramente a entidade pode atacar fisicamente a vítima por isso ela precisa desequilibrar a pessoa emocionalmente para depois poder plantar ideias ruins em sua mente para que a própria pessoa confusa faça coisas que prejudique a si mesma ou que a leve a tomar atitudes de acordo com a vontade de quem encomendou o trabalho de magia. Certa vez uma entidade me disse: “- Nós plantamos as ideias, mas a criação do inferno fica por conta de vocês”. Mas nem sempre é fácil estar equilibrado e não permitir a entrada de tais pensamentos em nossas vidas. É preciso considerar que a entidade perturbadora não vai atacar somente a você, mas tentará influenciar todas as pessoas à sua volta, principalmente as mais volúveis, que são as nervosas, desequilibradas, doentes. A entidade vai procurar mexer com as pessoas que você ama, destruir seus relacionamentos, criar desentendimentos na família, influenciar o seu chefe para você perder o emprego, etc. Assim, num momento de fraqueza ela entra na sua esfera astral e faz você cometer um ato impensado ou uma besteira qualquer. Elas costumam atacar à noite quando você está dormindo, desprotegido, com a mente consciente desligada. Entidades conseguem levar pessoas ao suicídio se estas não tomarem atitudes a tempo. Dentre todos os artifícios adotados por tais seres e sintomas de ataques astrais  podemos nos atentar aos principais:
·         A entidade faz a  pessoa não acreditar que está sendo vítima de ataques astrais, prefere acreditar na má sorte.
·         A  entidade faz a  pessoa ficar apática e sem vontade de fazer nada para melhorar, a pessoa se sente como se não tivesse forças ou perdida sem saber como agir;
·         Quando a pessoa pretende fazer algo para resolver a situação, a entidade faz acontecer alguma coisa para desviar o seu caminho.
·         A entidade faz a  pessoa se sentir nervosa, ansiosa, com vontade de chorar sem motivos e depressiva.
·         A pessoa se sente extremamente cansada, com dores nas costas e pesadelos.
·         As coisas começam a dar errado na vida da pessoa, carreira, dinheiro, relacionamento afetivo começa a ruir e por fim a pessoa fica doente depois de perder todos ou quase todos os seus bens.
·         A esta altura a pessoa já está convencida de que forças estranhas estão atuando em sua vida, então as entidades maléficas colocam as garrinhas de fora, começam a assustar a pessoa com aparições horríveis, fazendo barulhos, mexendo objetos e pode até atacar fisicamente a pessoa. Isso porque neste ponto ela já está fortalecida porque a pessoa conhecedora de sua situação se apavora e desprende grande quantidade de energia que é assimilada pelo ser. Este estágio é extremamente perigoso chegando a colocar a vida da pessoa e de outros em risco.
Para amenizar estes ataques a pessoa deve tomar providências paliativas como tomar banhos de ervas, fazer banimentos e defumações, se proteger com amuletos e manter a mente firme e a vontade forte sem se deixar influenciar pelas investidas do inimigo. E por fim deve procurar ajuda profissional, pois pode ser perigoso encarar tais entidades sem estar preparado. Como diz o velho ditado: “Não se deve cutucar a onça com vara curta”.
            No entanto, é preciso identificar quando as entidades estão procurando simplesmente se manifestar para dar algum recado ou ensinamento à você. Sim, isto também acontece, é importante manter-se calmo para não afugentar as entidades amigas. Muitas pessoas tomadas pelo susto nem procuram saber de que se trata e já saem correndo, rezando, gritando para o espírito do mal se afastar, fazem banimentos e até jogam água benta na cara do coitado! Calma gente as coisas não são bem assim. Como eu disse anteriormente não é fácil para o espírito se manifestar, muitas vezes isso requer muito esforço da parte dele e nem sempre a forma que ele encontra é das mais gentis. Por exemplo: Ontem fui fazer um trabalho de magia para afastar um senhor casado das prostitutas com as quais se relacionava e que estava levando a família ao caos. Eu era a única encarnada na sede da E.I.E, mas o ambiente estava povoado de seres que estavam fazendo muito barulho por todos os lados. Porém, eu, despreocupada por termos entidades suficientes para nos proteger na escola não estava dando bola, mesmo porque pensei em se tratar dos próprios guardiões. Em determinado momento sentei na cadeira em frente à mesa do escritório sem tocar em nada e a mesa chacoalhou fortemente, e mais estranho, o empurrão veio do lado direito da mesa que fica encostado na parede. Não entendi, olhei pros lados e do meu lado esquerdo vi como se fosse um raio partindo do chão e desparecendo no ar. Confesso que por um instante senti um gelinho no estômago, pensei em fazer um banimento imediatamente mas devido ao meu treinamento constante em um segundo refleti: “O que foi isso?”, poderia tratar-se de um aviso, pois apesar de todos os barulhos que ouvi não dei importância. Talvez eles precisaram fazer algo pra chamar mais fortemente minha atenção. E foi realmente isso o que aconteceu, me concentrei e em poucos instantes uma entidade me informou que estávamos sendo atacados por entidades enviadas por pessoas que perdem tempo com a vida dos outros. Então fui ao Templo, peguei minhas armas mágickas e com a ajuda dos meus amigos do outro lado, submetemos os intrusos à nossa vontade. Como podem ver, um trabalho em conjunto entre eu e as entidades que vibram em outro plano. Um plano não independe de outro, todos estão em sintonia , interligados compondo um só Universo com muitas possibilidades. É por isso que cada vez mais há a interação deste e de outros planos, pois estamos evoluindo para que possamos juntos construir a Grande Obra. Por fim, fiz o trabalho e hoje o marido infiel não foi ao encontro marcado.  Porém, maior foi meu assombro, quando Frater Magister chegou e eu fui tentar mostrar a ele o que havia acontecido. Eu, com minha força não consigo mover a mesa daquela maneira, é uma mesa de escritório antiga bem pesada e não balança! Imaginem só se a entidade atacasse uma pessoa com tamanha força, com certeza machucaria muito. Mas porque ela não consegue? Consegue sim, depende da pessoa, quando mais equilibrada mentalmente e emocionalmente mais difícil de ser atingido, porque o campo energético a protege bloqueando a passagem a energia contrária, mas se a pessoa for fraca e sem foco a entidade consegue atacá-la fisicamente. Não são raros os casos de pessoas que apresentam edemas, tais como arranhões e mordidas, entre outros causados por ataques de entidades.
            Além disso, ainda existem as assombrações vivas! Isso mesmo, pessoas vivas que dormindo saem do corpo e vem nos visitar! Certa vez acordei e vi uma pessoa conhecida em meu quarto me olhando, me assustei e pensei que a pessoa houvesse morrido. No dia seguinte liguei para saber; tal foi minha surpresa ao ouvi-la dizer do outro lado da linha:
            - Nossa que coincidência esta noite sonhei com você!
            Durante a noite você pode ser visitado por pessoas vivas, conhecidas ou não, pode estar vendo e ouvindo, devido ao estado de consciência alterado, outros planos de existência e tais pessoas nem estão percebendo a sua presença, neste caso elas falam outras línguas, muitas vezes incompreensíveis ou conversam como se você não estivesse ali, o ambiente parece mudado ou parece que eles flutuam sobre você.  E há a possibilidade de você realmente estar sendo atacado, neste caso eles vão falar com você, te chamar, falar seu nome ao contrário, cochichar no seu ouvido, gritar no seu ouvido fazendo-o acordar de repente muito assustado, dar voos rasantes em sua direção, ou perseguí-lo no astral fazendo você voltar correndo para o corpo de forma que você sente como se estivesse caindo da cama, ou caindo em seu corpo literalmente e quando acorda ainda tem a sensação de estar sendo observado. As vezes a pessoa sente um vazio profundo e um silêncio ensurdecedor seguido de uma horrível sensação de que algo ruim esta por vir. E se a pessoa tem clariaudiência vai ouvi-los ameaçar, falar coisas horríveis sobre sofrimento e morte. E se ela não tiver eles farão isso em sonhos. No dia seguinte a pessoa acordará exausta!
            A única forma de saber lidar com tudo isso é estudando, buscando muito conhecimento e praticando rituais e exercícios para poder enfrentar as forças destrutivas do além e para poder identificar as forças aliadas. Mas tome cuidado com uma coisa: Não os deixe perceber que você os vê, porque eles também verão você!
            E você, tem certeza que não está sendo atacado?
Se você tem então: Boa noite!