quarta-feira, 4 de maio de 2011

Psicometria Involuntária


Saudações;
Hoje aconteceu um fato bem interessante comigo e gostaria de compartilhar com vcs.

De manhã, minha filha foi ao meu quarto para que eu assinasse um cheque para ela pagar a escola. Eu estava até atordoada de sono, assinei e nem vi.

Voltei a dormir e de repente me vi na casa em que eu fui criada, entrei no meu quarto, abri meu armário, vi minhas roupas, coisas que eu nem me lembrava. A projeção foi muito real, perfeita, até o cheiro do ambiente. Minha mãe era muito exigente com a limpeza e a casa era perfumada.

O engraçado é que eu pegava as coisas e pensava sobre elas. Eu não estava jovem novamente, era eu mesma com esta idade, como se eu tivesse voltado lá e via todas aquelas coisas e me admirava. Via\ minhas roupas de mocinha e imaginava que elas pudessem servir na minha filha mais velha. Vi alguns joguinhos e brinquedos pensava que meus filhos pudessem gostar daquilo.

Quando acordei, do meu lado na cama estava um porta retrato antigo do meu pai. De 1945, quando ele ainda tinha onze anos de idade. Aquele porta retrato ficava no meu quarto desde aquela época em que eu era adolescente. A minha filha me deu ele para apoiar o cheque e assinar, ao tocá-lo eu pude perceber todas as impressões e recordações gravadas pelo objeto.
Esta foi uma experiência muito boa para mim, afinal quem não gostaria de voltar por um instante ao seu lar da infância com todo seu aconchego?

* O meu pai é o de camisa vermelha, saudade infinita!
Sóror Fortuna

Nenhum comentário: