domingo, 23 de dezembro de 2012


Sol Invictus  -  Sol invencível - Sol Iustitiae

por: Sóror Fortuna

 
E Deus disse: Faça-se a Luz e a Luz se fez! (Fiat Lux ferre)
O nascimento do Sol, o maior de todos os Deuses, o mais cultuado e adorado desde o princípio dos tempos!
Vivemos em um tempo onde as pessoas se sentem inteligentes demais para adorar a um Deus ou acreditar em forças ocultas. O fato é que não adianta esconder o Sol com a peneira, tais forças, tais inteligências, Deuses ou Demônios estão aí e fazem parte de nossas vidas em tempo integral, quer você acredite, quer não!
Tais pessoas, estudiosos, inteligentes e cultas afirmam que os povos antigos acreditavam que o Sol era Deus por mera ignorância, simplesmente porque percebiam que ele era doador do calor e da vida, e que quando não havia sol, suas plantações não brotavam. Dizem ainda que os antigos povos pagãos dormiam assombrados pela ideia de que numa noite qualquer o mundo caísse numa noite eterna e o sol jamais retornasse, por isso o veneravam, para agradá-lo. Pensamento infame! Ninguém pensa isto! Nascemos, e o dia e a noite são tão naturais que fazem parte de nossa vida como o nosso respirar!
Acontece que o homem contemporâneo perdeu quase que totalmente a sua sensibilidade, a sua inteligência tecnológica o desespiritualizou! Os povos antigos eram mais puros, estavam mais ligados com a Natureza, tinham mais contato com o plano espiritual. Sua mente estava totalmente conectada com o Universo, eles observavam os céus, observavam os ciclos da natureza e  ter contato com o plano astral para eles não era suspeita de loucura!
Nossos ancestrais Pagãos sabiam que éramos filhos de Grande Mãe e do Grande Pai Universal, sabiam que seu sopro de vida estava em tudo e toda sua criação era inteligente e tinha um espírito, pois sem espírito não há vida! Eles sabiam que por traz do Astro Sol, havia uma inteligência, um Deus, e era a este Deus que glorificavam agradecendo pela vida doada. E Á Grande Mãe, cujo útero produzia frutos que alimentava a todos os seres.
É admirável a unanimidade de percepção entre todas as culturas da antiguidade aceitando o Sol como centro de nosso Universo, fato que somente em meados de 1543 Nicolau Copérnico começou a desconfiar e que foi confirmado por Kepler por volta de 1600. A grande roda solar pode ser observada em diversos povos, desde os Egípcios, Celtas, Maias, Nórdicos, etc. 
A mitologia Grega, pode ter provocado toda a tradição de 25 de Dezembro. No ano 283 a.C o solstício ocorreu em Rodes mais ou menos ao nascer do sol no dia 25 de Dezembro. Neste dia consagrou-se a maior estátua do Deus Hélios da Antiguidade Clássica  (Deus do Sol) – O Colosso de Rodes, construída em cobre, com 34 metros de altura e pesando 200 toneladas foi considerada uma das 7 maravilhas do mundo.
No final do século III, o Sol - agora chamado Sol Invictus (o Sol Invencível) - começou a ser visto quase em termos monoteístas, sendo os outros deuses considerados servos da divindade solar ou como diferentes facetas dele. O salto seguinte em direção ao proto-Natal chegou em 274 d.C., quando imperadorAurélio declarou que o Sol Invictus era "Senhor do Império Romano".
A decisão de declarar 25 de Dezembro como o dia do nascimento de Jesus foi tomada no século IV pela Igreja, sob influência do imperador romano, Constantino. Em 312 dC, Constantino estava prestes a lutar a batalha da Ponte Mílvia, ele percebeu um sinal, uma "uma cruz de luz no céu, acima do sol" à  qual ele atribuiu sua vitória.  Foi Constantino que decretou em 321 dC que, com uma exceção para os agricultores, domingo era para ser um dia de descanso.  "No Dia venerável do Sol deixar os magistrados e as pessoas residentes em cidades resto, e deixe todas as oficinas ser fechadas" (Codex Justiniano, III.12.2)
A adoração do Sol era indígena para os romanos, que tinha um santuário para Sol Indiges no Quirinal, que diz-se ter sido estabelecido por Tácio, rei dos sabinos, os primeiros habitantes da colina, que, após a Rapto das Sabinas foi reconciliado com Rômulo e governado conjuntamente. (Quintiliano, Institutio Oratoria, I.7.12; Varro, Na Língua Latina, V.10).  E havia um templo para Sol assim como um para a Lua no Circus Maximus, onde corridas de bigas ocorriam sob os auspícios dessas divindades (Tácito, Anais, XV.74; Tertuliano, De spectaculis, VIII.1) .  Tanto a festa no Monte Quirinal e a data de fundação do templo datavam em agosto, quando o calor do sol era mais intenso.
Em 219 a.C, Heliogábalo chegou da Síria, onde se consagrou por direito hereditário Sacerdote do Deus Sol Elagabal. Heliogábalo introduziu o culto do Sol Invictus em Roma. Ele ampliou o Templo de Júpiter Ultor sobre o Palatino e o dedicou ao Sol Invictus (Sol Invencível). “Na verdade, ele procurou abolir não só as cerimônias religiosas dos romanos, mas também os de todo o mundo, o seu desejo era que o Deus Heliogábalo fosse adorado em todo lugar" (Historia Augusta, VI.7; Herodes, V.7; Dio, LXXIX.11). 
Quando o jovem imperador foi assassinado três anos depois, o culto foi suprimido, para ser restabelecido meio século depois pelo imperador Aureliano, que ergueu um magnífico templo ao Sol, no Agrippae Campus (Historia Augusta, XXV.6, XXXV.3, XXXIX.6; Aurélio Victor, XXXV.7; Eutrópio, IX.15.1).  Presumivelmente, foi dedicado em 274 dC, um ano depois, o imperador voltou da conquista de Palmyra, onde ele viu "uma forma divina" (Sol) apoiá-lo na batalha contra Zenobia (XXV.3, 5).  Depois disso, Aureliano se identificou com a personificação do deus, que foi proclamado o protetor divino do imperador.  A festa do solstício de inverno, quando os dias escuros do inverno começavam a alongar e a clarear, era conhecido como Natalis Solis Invicti, o aniversário do Sol invencível. 
Mithras foi outra divindade solar, Oriental cuja festa foi celebrada em 25 de dezembro, seus ritos introduziu a Roma no primeiro século dC por piratas Cilícia, Plutarco, Vida de Pompeu, XXIV.5.
O primeiro registro certo associando 25 de dezembro com o aniversário do Sol Invictus é o Cronografia de 354 AD, onde, na parte conhecida como o Calendário Philocalian, VIII Kal.  Janeiro é identificado como N invicti CM XXX (Natalis Invicti; CM abrevia circenses patroa ou raça circo, de que havia de ser 30 dias isso).  Aqui, também, é a mais antiga referência a 25 de dezembro como o aniversário de Jesus.  Em uma comemoração dos mártires cristãos, a anotação do VIII Kal.  Janeiro é natus Christus em Betleem Judeae ("Cristo nasceu em Belém da Judéia").  Porque o Martyrum Depositio foi concluído em 336 dC, a primeira celebração de Natal pode ser datado para o ano também.  Na lista de cônsules, há também a nota dominus Iesus Christus natus est VIII kal.  Ian.
 Marcos e Paulo não fazem qualquer referência a quando Jesus nasceu, e Mateus e Lucas não mencionam a data.  Nem Clemente de Alexandre, quando se refere ao dia do nascimento de Jesus, 25 de dezembro inclue entre as possibilidades.  "Há aqueles que determinaram não somente o ano do nascimento de nosso  Senhor , mas também o dia, e eles dizem que teve lugar no  vigésimo oitavo  ano de  Augusto [2 aC]  E, no dia vinte e cinco de  Pachon [o mês egípcio, 20 de maio]  .... Outros dizem que Ele nasceu no dia vinte e quatro ou vinte e cinco de  Pharmuthi  [20 de abril ou 21] "(Stromata, I.21). Fato, a Igreja não acordar 25 de dezembro como o Natal de Jesus até o século cinco.
Epifânio, bispo de Salamina, que morreu no ano de 403, argumentava que 06 de janeiro era a data do nascimento de Jesus.  "Gregos, quer dizer, os idólatras, comemoram este dia no oitavo antes das calendas de janeiro [25 de dezembro], que os romanos chamam Saturnalia. Para esta divisão entre os signos do zodíaco, que é um solstício, vem na oitava antes das calendas de janeiro, e o dia começa a aumentar, porque a luz está a receber o seu aumento, completando um período de treze dias até a oitava antes dos Idos de Janeiro [06 de janeiro], o dia do nascimento de Cristo "(Panarion, IV.22.5-6; também 22,17-18 "Para os magos chegaram a Belém neste mesmo dia da Epifania do Senhor, e oferecerem seus dons, a mirra, o ouro e o incenso" e 24,1 "Porque Cristo nasceu em o mês de janeiro, ou seja, no oitavo dia antes dos Idos de janeiro no calendário romano este é a noite de quinta janeiro, no início de Janeiro de sexta").
Na reforma Julian do calendário romano, 25 de dezembro, o oitavo dia após das calendas de janeiro (VIII Kal. Janeiro), foi reconhecido como o solstício de inverno.  Nove meses antes, 25 de março foi o equinócio vernal, o oitavo dia antes das Calendas de abril (VIII Kal. Abril), que marcou o início da primavera.  Estas datas foram abraçados pela igreja em seu cálculo da data de nascimento de Jesus.  Porque ele foi considerado perfeito, sua vida foi pensada para ser completa e compreendem um número inteiro de anos.  25 de março foi considerada a data de sua concepção (a Anunciação a Maria) e, exatamente nove meses depois, 25 de dezembro o seu Natal.  A data de concepção e crucificação de Jesus, portanto, foi pensada para ter ocorrido no mesmo dia do ano, 25 de março (por exemplo, Tertuliano, Adversus Judaeos, VIII.17; Hipólito, Commentary on Daniel 4:23; Agostinho, On Trindade, IV.5; Exiguus Dionísio, Argumenta Paschalia, XV).
Ainda anterior ao Sol Invictus, existiam os festivais de Saturno, a Saturnália, que ocorria entre 17 e 23 de Dezembro em honra ao Deus Saturno. Quando este festival  foi substituído pelo Sol Invictus este tornou-se praticamente um Deus monoteísta ou Deus Superior, pai de todos os demais.   Nesta altura os Cristãos não celebravam o Natal. Celebravam em vez disso a Epifania a 6 de Janeiro. O imperador Constantinus no inicio do sec. IV promoveu uma tentativa de identificação de Sol Invictus com Jesus Cristo por forma a acabar com as lutas religiosas e políticas entre Cristãos e Romanos tradicionais. Os Deuses eram na verdade muito parecidos: ambos eram o Deus Uno do Universo, e ambos iluminavam o espírito no bom caminho da alma até a imortalidade. Assim, os Cristãos foram também influenciados.
Gradualmente os patriarcas Cristãos ordenaram que o dia Natalis Solis Invicti fosse celebrado pelos Cristãos como o Natal de Cristo. Isto  trazia muitas vantagens. Como os patriarcas não conseguiam impedir que os recém-convertidos ao Cristianismo continuassem a celebrar os festivais romanos tradicionais, isto era uma forma de “cristianizar” estes festivais, estratégia que se estendeu a muitos outros festivais alem do Natal. Cristo era então chamado pelos teólogos Cristãos como Sol Iustitiae (Sol de Justica). Ate a iconografia sofreu influencia sendo Cristo representado com a coroa solar. Mas enfim, os cultos não cristãos foram entretanto proibidos durante o século 4 (definitivamente com o imperador Teodósio na década de 380 DC) e o dia 25 de Dezembro passou definitivamente a ser o Natalis Christi em vez de Natalis Solis, caindo este no esquecimento.  
A prática de trocar presentes era, segundo nos informa Tertuliano, parte da saturnália. Não há nada de errado em dar presentes. Os israelitas davam presentes uns aos outros em tempos de celebração (Et.9:22). Mas alguns têm procurado ligar os presentes de natal com aqueles que Jesus recebeu dos magos.
A árvore de natal também tem suas origens no paganismo. Segundo uma fábula babilônica, um pinheiro renasceu de um antigo tronco morto. O novo pinheiro simbolizava que Ninrode tinha vindo a viver novamente em Tamuz. Entre os druidas o carvalho era sagrado. Entre os egípcios era a palmeira, e em Roma era o abeto, que era decorado com cerejas negras durante a saturnália. O deus escandinavo Odin era citado como um que dava presentes especiais na época de natal àqueles que se aproximassem de seu abeto sagrado. Em inúmeras passagens bíblicas a árvore é associada a idolatria e a adoração falsa: Porque também os de Judá edificaram, estátuas, colunas e postes-ídolos no alto de todos os elevados outeiros, e debaixo de todas as árvores verdes (I Rs.14:23). Não estabelecerás poste-ídolo, plantando qualquer árvore junto ao altar do Senhor teu Deus que fizeres para ti (Dt.16:21). Portanto a árvore de natal recapitula a ideia da adoração de árvore, sendo que castanhas e bolas simbolizam o sol. (WOODROW, Ralph. Babilônia A Religião dos Mistérios).
A fim de justificar a celebração do natal muitos tentaram identificar os elementos pagãos com símbolos bíblicos. Jesus, por exemplo, foi identificado com o deus-sol. O salmo 84:11 diz que Jesus é sol. Jesus é a Luz que alumia todos os homens (Veja Lc.1:78,79 e Jo.1:9).
Na basílica dos apóstolos muitos cristãos, identificando Cristo com o deus-sol, viravam seus rostos para o oriente a fim de adorá-lo.
Com o passar do tempo muitos outros costumes foram sendo introduzidos nas festividades do natal. 
 O papai Noel, por exemplo, é uma representação de São Nicolau, um santo da Igreja Católica Romana. O presépio foi inserido por São Francisco.

Nenhum comentário: